Senge-PR garante incorporação da gratificação da função aos salários dos engenheiros da Copel

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Ação Coletiva de 2017 reivindicou direito para profissionais que receberam o valor por 10 anos ou mais até novembro de 2017

O Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (TRT-9) publicou Acórdão com decisão que confirmou a sentença de primeiro grau que garantiu a incorporação da gratificação de função aos salários dos engenheiros da Copel que receberam o valor por 10 anos ou mais na função gratificada até novembro de 2017 (data da entrada em vigor da Lei n° 13.467/2017). A decisão foi publicada em 30 de março de 2021.

A 6ª Turma do TRT-9 reformou parcialmente a sentença proferida no primeiro grau para garantir o direito também aos engenheiros que completaram o tempo mínimo na função gratificada – 10 anos – antes de novembro de 2017, mas que permaneceram recebendo a gratificação, e foram revertidos ao cargo normal posteriormente.

O que argumentou o Senge-PR

Os engenheiros da Copel que receberam gratificação por 10 anos ou mais têm direito a incorporação deste valor ao seu salário, em razão do princípio da estabilidade financeira e também da irredutibilidade salarial. Este direito era fundamentado na redação da Súmula n° 372, do Tribunal Superior do Trabalho, que é resultado da interpretação realizada pelos ministros daquela Corte Superior sobre os princípios citados.

O motivo do ajuizamento da Ação Coletiva pelo sindicato se deu justamente em razão da alteração promovida pela Lei n° 13.467/2017 (conhecida como Reforma Trabalhista) sobre o art. 468 da CLT, em que passou a prever expressamente que o trabalhador ocupante de cargo com função gratificada, quando revertido ao seu cargo normal, não teria direito à incorporação da gratificação, independentemente do tempo em que ocupou o cargo.

Os advogados da entidade sustentaram a existência de direito adquirido por parte dos engenheiros que completaram os requisitos objetivos estabelecidos pela Súmula n° 372 do TST e que, em virtude disso, não poderiam ser afetados pela alteração legislativa posterior.

O que a Justiça negou

O TRT-9 manteve a sentença de improcedência sobre o pedido formulado pelo sindicato de que somente os engenheiros contratados após novembro de 2017 é que poderiam ser afetados pela alteração promovida pela Lei n° 13.467/2017, argumentando que em se tratando de um contrato com prestações sucessivas, as alterações legais têm aplicabilidade imediata – observadas eventuais regras de direito adquirido.

No caso, não haveria direito adquirido por parte dos engenheiros que não completaram os requisitos estabelecidos pela Súmula n° 372 do TST, uma vez que a condição prévia para a incorporação da gratificação não restou adimplida, e a legislação vigente estabelece que não há direito à incorporação.

Qual o período fixado

O TRT-9 declarou a incidência de dois prazos prescricionais: bienal e quinquenal. No caso, estão prescritas as pretensões relativas a todos os contratos de trabalhos de engenheiros que foram rompidos antes de 03/11/2015 (data que antecede em dois anos ao ajuizamento da Ação Coletiva movida pelo SENGE).

Também estão prescritas as verbas devidas anteriormente a 03/11/2012 (data que antecede em cinco anos ao ajuizamento da ação coletiva movida pelo Senge), significando que a partir de 2012 é que serão pagas as diferenças salariais aos engenheiros enquadrados pela decisão proferida.

Marco temporal para definição do direito à incorporação

É devido o direito à incorporação da gratificação de função a partir da data em que ocorrer a reversão ao cargo normal e, consequente, supressão do pagamento da gratificação – observados os prazos prescricionais.

Em uma situação hipotética, um engenheiro que recebeu a gratificação de função até abril de 2016 tem direito ao recebimento de diferenças salariais a partir de maio de 2016 até a data em que a COPEL comprovar a implementação em folha de pagamento da diferença.

Próximos passos

Não se trata de decisão definitiva, tendo em vista a pendência de recurso por parte da Copel. Em caso de dúvidas dos engenheiros, o setor jurídico do Sindicato deve ser procurado.

 

Fonte: Senge PR
Imagem: reprodução