Lutar contra a apropriação do mercado sobre a água: um dos objetivos do FAMA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

O FAMA – Fórum Alternativo Mundial da Água – é um espaço democrático que reúne, mundialmente, organizações e movimentos sociais que lutam em defesa da água como direito elementar à vida.

 

 Em março de 2018, o FAMA realizará, em Brasília, um grande evento com cerca de 5 mil pessoas, em contraposição ao “Fórum das Corporações”, autodenominado “8º Fórum Mundial da Água”. Este, promovido por grandes grupos econômicos que também estarão reunidos na capital federal nessa data, defende a privatização das fontes naturais e dos serviços públicos de água.

 

O FAMA tem como objetivo fundamental tratar do tema da água na perspectiva do direito, e não da privatização, por meio de uma ampla gama de debates que permita focar essa questão nas suas mais variadas interfaces.

 

Desmistificando o ‘Fórum das Corporações’

 

O Fórum e o Conselho Mundial da Água são vinculados a organizações privadas, em especial às grandes corporações multinacionais, que têm como meta impulsionar a mercantilização da água; intensificar práticas de transposição de bacias hidrográficas, privilegiando o atendimento das demandas por água a qualquer preço em detrimento da sua gestão; construir barragens para os mais variados fins, afetando de forma significativa populações ribeirinhas sem considerar impactos sociais e culturais; apropriar-se dos aquíferos subterrâneos; entre outros.

 

Muitas dessas corporações já controlam a prestação de serviços de água e esgoto e a extração intensiva de água para engarrafamento, produção de bebidas etc. Seus interesses são de apropriação das reservas de água para gerar lucros extraordinários. 

 

Denunciar essas práticas que impõem fortes impactos financeiros e restrições de acesso à população de todo o mundo, afetando, sobretudo, os mais pobres, está entre os principais objetivos do Fórum Alternativo, além de debater temas centrais de defesa pública e  controle social das fontes de  água, o acesso democrático a esse recurso natural, a luta contra as privatizações dos  mananciais e as políticas  públicas necessárias para  o controle social do uso  da água  e  preservação ambiental.

 

O FAMA foi lançado oficialmente no 5 de junho, dia mundial do Meio Ambiente, em São Paulo-SP, e, desde então, uma comissão organizadora vem trabalhando para agregar cidadãos, entidades e movimentos sociais e dar visibilidade aos seus objetivos.

 

Alguns comitês locais já foram formados, como os de Brasília e Pará. Entre agosto e setembro devem ser lançados os comitês da Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

 

 O lançamento do comitê de São Paulo já tem data marcada: 21 de setembro, durante a realização da Assembleia Estadual Popular da Água, onde se pretende elaborar o Mapa de Conflitos da Água no Estado.

 

 Membro da coordenação do FAMA, Edson Aparecido da Silva afirma que os comitês locais são de grande importância: “Não queremos que o FAMA faça simplesmente uma análise da conjuntura em que vivemos. Queremos que o nosso Fórum aponte perspectivas e compromissos a serem discutidos com a sociedade e governos no próximo período”, explicou Edson.

 

 Os organizadores do FAMA esperam que esses comitês, mesmo despois do Fórum, permaneçam com o debate da defesa dos direitos humanos, das reservas estratégicas do país, da soberania nacional e, principalmente, da garantia da água como direito.

 

Para conhecer o Manifesto de Chamamento ao FAMA 2018, acesso o site www.fama2018.org (http://www.fama2018.org/portal/fama-2018/fama-2018/).

 

Site: fama2018.org

Facebook: @fama2018

 

Informações à Imprensa:

. Fernanda Fiot

+55 11 98283 7998 – WhatsApp

[email protected] 

 

. Silvana Cortez

+55 11 98664 6703 – WhatsApp

[email protected]