.:. Informativo nº 38 :: 20 de Agosto / 2013 .:.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

20 anos de fundação da Fisenge: No final dos anos 1990, projeto neoliberal causava reflexos negativos no país

 

 

Em 1998, a capa do jornal Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) destacou em suas chamadas as consequências do projeto neoliberal desenvolvido pelo Governo FHC nos anos 1990. Desemprego em alta, déficit público quatro vezes maior e perda de garantias trabalhistas prevista na CLT, por meio de contratos temporários de trabalho, foram alguns dos destaques.   


.:. Informativo nº 38 :: 20 de Agosto / 2013 .:.


Fisenge e Dieese debatem proposta de formatação do Congresso Nacional de Sindicatos de Engenheiros

 

 

Aconteceu, na sede da Fisenge, no último dia 15, uma reunião entre a comissão organizadora do 10º Congresso Nacional de Sindicatos de Engenheiros (Consenge) e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Foi debatida uma proposta de formatação do Consenge, que irá acontecer entre os dias 27 e 30 de agosto de 2014, em Búzios, Rio de Janeiro. “Iremos debater o papel do Estado Brasileiro no desenvolvimento nacional e entendemos o Estado como elemento estruturante e indutor de desenvolvimento. Também é preciso atentar para os setores agrícola e agrário, considerando a enorme desigualdade e concentração fundiária no Brasil”, afirmou o presidente da Fisenge, Carlos Roberto Bittencourt. Estiveram representando o Dieese, o diretor técnico, Clemente Ganz; e o técnico Paulo Jager. “É preciso ‘desprivatizar’ o Estado e apontar para o Estado que queremos: público”, disse o secretário-geral da Fisenge, Clovis Nascimento. Também esteve na reunião o presidente do Senge-RJ, Olímpio Alves; e o diretor-tesoureiro da Fisenge, Eduardo Piazera.


Fisenge participa do lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Engenharia, Agronomia e Arquitetura

Foi realizado, no dia 13, o lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Engenharia, Agronomia e Arquitetura, na Câmara dos Deputados, em Brasília. A Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) foi representada pelo vice-presidente, Raul Otávio, e pela diretora da mulher, Simone Baía. “Independentemente da origem de criação desta Frente, esta ação aglutina um esforço conjunto, no sentido de representar os interesses da engenharia. Certamente, é um grande avanço político para a defesa da engenharia, dos profissionais e da sociedade. Esta iniciativa nunca aconteceu antes, e é um grande desafio não deixar que fique na gaveta ou caia no esquecimento”, destacou Raul Otávio. A Frente conta com a participação de mais de 270 parlamentares. “A criação de uma Frente Parlamentar específica é fundamental para que possamos redobrar esforços e pressionar pela elaboração e aprovação de projetos de interesse da categoria e da sociedade”, destacou Simone Baía. A Frente irá debater alguns dos temas: o papel dos engenheiros, agrônomos e arquitetos no serviço público; a qualidade do ensino de engenharia, agronomia e arquitetura no Brasil; os engenheiros, agrônomos e arquitetos e o mercado de trabalho; além da importância da engenharia, agronomia e arquitetura para o crescimento econômico do Brasil. No encerramento, o ex-presidente do Confea, Henrique Ludovice frisou a importância da Frente ao defender a engenharia. “Ao se defender a área tecnológica, defende-se um projeto de desenvolvimento que assegura a soberania para o país. Quando aqui efetivamente – no Congresso Nacional – vestimos a camisa de uma profissão, não é apenas corporativismo. Está se defendendo o progresso. Essas profissões têm um compromisso com o Brasil, são 80 anos impactando na história do país”, disse Ludovice.

 


Coletivo de Mulheres lança sexta tirinha sobre assédio moral

Engenheira Eugênia é assediada pelo chefe

Nesta sexta edição da história em quadrinhos, a engenheira Eugênia sofre indiscriminadas práticas de assédio moral, comuns no mercado de trabalho. “O assédio moral pode começar silencioso com pequenas atitudes até ofensas mais graves, o que prejudica imensamente a saúde do trabalhador”, destacou a diretora da mulher, Simone Baía.

 

Os quadrinhos têm periodicidade mensal, lançados todo dia 15 no boletim do Coletivo de Mulheres da Fisenge. Contribua você também e ajude a divulgar! As contribuições poderão ser enviadas diretamente para o e-mail da engenheira Eugênia: [email protected] ou para [email protected] Será mantido total sigilo de fonte de todos os depoimentos e de todas as histórias enviadas. A publicação é livre, desde que citada a fonte.

 

CONFIRA A SEXTA TIRINHA DA SÉRIE:

 

 

 

 

 

 


 

Senge-PR participa de audiência sobre a situação de famílias atingidas por obras da Usina Baixo Iguaçu

Foi realizada no dia 16, uma audiência pública sobre a situação das famílias que serão atingidas pela construção da Usina Hidrelétrica do Baixo Iguaçu pelo consórcio Céu Azul, formado pelas empresa Neoenergia e Desenvix. A Copel tem 30% de participação na Usina. O presidente do Sindicato dos Engenheiros no Estado do Paraná, Ulisses Kaniak, também participou da audiência, que aconteceu no Centro Social Comunitário da Linha Marechal Lott, na zona rural de Capanema, um dos municípios onde vivem as famílias que terão de deixar suas casas e atividades na região que será alagada pela barragem da Usina. O deputado e presidente da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa, Tadeu Veneri (PT), disse que a estimativa é que cerca de quinhentas famílias de Capanema, Capitão Leônidas Marques, Planalto, Realeza e Nova Prata do Iguaçu sofrerão os efeitos da obra. Ele apontou que há uma divergência entre o número de famílias cadastradas pelo consórcio para serem indenizadas. De acordo com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), são cerca de quinhentas famílias, enquanto o cadastro do consórcio contempla apenas 360 famílias. Outro ponto que será debatido na audiência pública é o valor das indenizações. Veneri observa que as famílias estão reclamando que a proposta do consórcio está abaixo dos valores de mercado. Veneri destacou que a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa já acompanha os impactos de outras obras de usinas sobre as comunidades locais. “Os problemas costumam se repetir. A Comissão pode ajudar no sentido de gestionar junto aos governos estadual e federal para que sejam respeitados os direitos da população que são sistematicamente violados pelas construções das barragens”, afirmou.

 


 

Senge-ES: Servidores da Área Tecnológica se reúnem nas próximas semanas para organizar o Grande Encontro do próximo mês

O Grupo Articulador do Movimento Capixaba dos Profissionais da Área Tecnológica Pública realiza nos dias 23 e 30 de agosto reuniões preparatórias para o Grande Encontro do próximo mês. O objetivo é reunir, no dia 6 de setembro, profissionais de todas as cidades do Espírito Santo, entidades de classe e representantes do Governo Capixaba para debater uma proposta que permita reestruturar a Área Tecnológica Pública do Espírito Santo.

 

Leia mais AQUI

 


 

Senge-MG: Justiça declara nulidade do Plano de Cargos e Salários da Copasa

 

Em sentença publicada neste dia 13 de agosto, a Juíza Vanda de Fátima Quintão Jacob, da 18ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte declarou a NULIDADE do Plano de Cargos, Carreira e Salários da Copasa. A juíza declara que a nulidade se deve ao não cumprimento do que estabelece o Art. 9º da Consolidação das Leis do Trabalho, por se tratar de empresa de economia mista, estando sujeita ao Art. 173, parágrafo 1º inciso II da Constituição Federal, que exige a organização de quadro de pessoal, observando-se os critério de promoção alternadamente por antiguidade e merecimento. Nesse contexto, inaplicável o art. 54 da Lei 9.784/99 que trata, inclusive, de atos administrativos em relação aos destinatários, nada tendo a ver com a legislação trabalhista. Esta decisão contempla uma das grandes lutas dos trabalhadores para que a empresa discuta paritariamente com os trabalhadores a elaboração de um PCCS transparente e que mantenha a empresa como uma organização pública transparente. Uma reunião entre as entidades representantes dos trabalhadores está agendada para o dia 21 de agosto. O objetivo da reunião é discutir e deliberar sobre os próximos passos jurídicos a serem dados a partir de agora.

 

Veja, AQUI, a sentença na íntegra

 


 

Senge-RJ fecha parceria com a Anapar   

 

O Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro (Senge-RJ) fechou uma importante parceria com a Associação Nacional dos Participantes de Fundos de Pensão (Anapar). A Associação ficará responsável por realizar publicações, estudos e pesquisas sobre a previdência privada, que vão auxiliar os engenheiros a escolher a melhor forma de utilizar a previdência complementar. Fundada em 24 de maio de 2001, a Anapar é a primeira e única representante, no Brasil, dos associados a entidades de previdência complementar.

 


 

Senge Jovem: Projeto é apresentado para o Senge Bahia

 

 

A coordenadora do Senge Jovem, Karla Gonçalves, participou do Seminário Valorização Profissional e Formação Sindical: Engenheiro Eletricista Orlando Miranda, promovido pelo Senge Bahia, nos dias 26, 27 e 28 de julho, onde apresentou o projeto. “Falei sobre as missões, os valores, os objetivos e as ideias. Além disso, expus o andamento e os resultados que já obtivemos até hoje e contei, passo a passo, como o Senge Jovem foi iniciado, de onde surgiu a ideia e, também, sobre a divulgação, a captação de sócios e os benefícios”, diz Karla. A coordenadora revela que também explicou sobre a parte administrativa necessária para gerir o grupo. “Falei sobre o cadastro, sobre a montagem de kits para os sócios, dos eventos, das reuniões. Enfim, falei de toda a nossa estrutura e dei algumas dicas para que o Senge Estudante comece a se organizar”, conta.

 

Leia mais AQUI

 


 

Começa hoje eleição no Senge-RO

 

 

 

O processo eleitoral para definição da nova diretoria do Sindicato dos Engenheiros de Rondônia (Senge-RO) começa hoje, dia 21. Foi inscrita, para o triênio 2013/2016, a chapa única “Compromisso, encabeçada pelo engenheiro José Ezequiel Ramos, também diretor da Fisenge. “Temos 40 membros na chapa com mais de 50% de renovação e com participação de mulheres, além de candidatos para delegacias sindicais em nove localidades. A construção da chapa se dá com o compromisso do fortalecimento do sindicato como instrumento de lutas da categoria e da sociedade”, afirmou Ezequiel. Haverá urnas fixas e itinerantes na Capital e mais quatro cidades do interior do Estado.

 


Votação do PL 4330 é adiada para setembro  

O Projeto de Lei 4330, que precariza ainda mais a vida dos trabalhadores terceirizados, teve a votação adiada para o dia 3 de setembro . O adiamento foi decidido na tarde desta terça-feira- (13). O projeto, de autoria de Sandro Mabel (PMDB-GO), está na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados e seria votado nesta quarta-feira (14) por pressão de empresários e parlamentares ligados ao empresariado. Segundo declarou o presidente da CUT Nacional, Vagner Freitas, à vice-presidência da Câmara após a decisão da CCJC, o adiamento servirá como estratégia para melhorar o texto, tendo em vista que a sua aprovação não representa a vontade dos trabalhadores brasileiros. “Do ponto de vista da opinião pública, esse projeto é muito ruim para a imagem do Congresso Nacional. Nossa proposta é  melhorar o texto, dando garantias aos trabalhadores ou o conseguir o seu arquivamento e início de uma nova rodada de conversas”, disse Vagner Freitas. “Queremos fazer um debate mais apropriado, que não ofereça apenas segurança jurídica para o empresário. A regulamentação da terceirização não pode piorar a legislação que temos hoje. Com esse tempo (adiamento), esperamos que o texto não coloque amarras nos trabalhadores, que tenha um melhor conceito de especialização, contratos de trabalho, tempo de duração do contrato com regras claras, salários dignos e decentes”, explicou o presidente nacional da CUT.  

 


Nota pública: Vila Autódromo conquista sua permanência

A Associação de Moradores da Vila Autódromo se reuniu com o Prefeito Eduardo Paes nesta sexta-feira, 09 de agosto de 2013. A reunião contou com a presença dos secretários municipais de meio ambiente e habitação, do Subprefeito da Barra da Tijuca e Jacarepaguá, de representante da Empresa Olímpica Municipal e da Procuradoria Geral do Município. À convite da comunidade, participaram a Defensoria Pública do Estado, as duas universidades federais (IPPUR/UFRJ e NEPHU/UFF) que assessoraram os moradores na elaboração do Plano Popular e a Pastoral das Favelas. O prefeito reconheceu que houve equívocos no tratamento à comunidade e afirmou que está disposto a abrir uma rodada de negociações baseada na permanência da Vila Autódromo e sua urbanização. Os eventuais casos de reassentamento poderão ser feitos na própria área, caso o morador assim o deseje. O prefeito apresentou também como opções para os casos de reassentamento o apartamento no Parque Carioca ou indenização a preço de mercado. Para dar continuidade ao processo, foi constituído grupo para a negociação que contará com técnicos da prefeitura, representantes dos moradores e sua assessoria técnica. As decisões serão também submetidas a assembleias dos moradores. A comunidade afirmou que a base para o projeto de urbanização e regularização deverá ser o Plano Popular.  A Vila Autódromo continua na luta pelo direito à moradia, junto com outras comunidades ameaçadas de remoção.

Viva a Vila Autódromo! A Vila Autódromo Vive!

Associação de Moradores, Pescadores e Amigos da Vila Autódromo