FUP rechaça negociação individual da Petrobrás com trabalhadores

notice
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Sem acordo com os trabalhadores, direção da Petrobrás ameaça negociar individualmente reajuste salarial e benefícios. Para a FUP, medida não vai impedir luta da categoria para manter direitos

notice

Foto: Agência Brasil

Desde 2013, os acordos coletivos dos petroleiros têm sido praticamente os mesmos, com reajustes salariais que impedem a perda do poder de compra e a manutenção de diversos benefícios que a categoria conquistou. Mas, este ano, sob o governo de Jair Bolsonaro (PSL), a Petrobras, com a desculpa de que é necessária a sustentabilidade da empresa, ofereceu apenas 70% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e não reajustar vale-alimentação e educação, além de acabar com o programa Jovem Universitário e com os adicionais pagos no estado do Amazonas e em campos terrestres.

Sem acordo até o momento, mesmo com a mediação do Tribunal Superior do Trabalho (TST), a Petrobras ameaça utilizar uma brecha aprovada pela reforma Trabalhista de Michel Temer (MDB-SP) e negociar individualmente com cada trabalhador e trabalhadora um acordo salarial.

A possibilidade dessa medida ser implementada é rechaçada pelo presidente da Federação Única dos Petroleiros (FUP), José Maria Rangel. Até porque, segundo ele, não vai atingir a maioria dos trabalhadores.

“Pela lei só podem ser negociados acordos individuais com trabalhadores de nível de ensino superior e com salários de quase R$ 12 mil. Além disso, as negociações com intermediação do TST ainda não terminaram”, diz o dirigente.

Rangel, no entanto, critica a falta de reuniões bilaterais entre as partes e o curto prazo dado pelo TST para que os trabalhadores avaliem a proposta, já que o vice – presidente do Tribunal, ministro Renato de Lacerda Paiva, responsável pela mediação, não levou em consideração a necessidade da categoria em analisar a proposta de acordo e a realização de assembleias para que os trabalhadores tomem uma decisão.

“Desde o final de agosto que a Petrobras entrou com pedido de negociação no TST e até agora não houve uma reunião conjunta das partes, apenas individuais com o Tribunal. Além disso, o ministro quer que o acordo seja assinado até o próximo dia 30 e deu prazo para darmos nossa resposta até sexta-feira [27]. Mas, somente amanhã [24], nosso conselho jurídico e econômico vai analisar a proposta que o Tribunal enviou na última quinta – feira (19). Aí sim tomaremos uma decisão para apresentar aos trabalhadores”, afirma o dirigente.

Os petroleiros reivindicam recomposição salarial de 4,45%, com base no Índice de Custo de Vida do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) acumulado entre 1º de setembro de 2018 e 31 de agosto de 2019. O porcentual seria o mesmo para os reajustes do vale-alimentação. A inflação oficial do período, medida pelo IPCA, ficou em 4,94%. 

Dia 3 de outubro é dia de “Luto pelo Brasil”

Para evitar o desmonte do Estado brasileiro que o governo quer realizar, os trabalhadores das estatais e movimentos sociais vão realizar no dia 03 de outubro, uma quinta-feira, o Dia de “Luto pelo Brasil”, em defesa da soberania nacional. A data tem um valor significativo, já que é aniversário da Petrobrás, a maior estatal do país e símbolo para o povo brasileiro.

A concentração do ato terá início às 16h, em frente à sede da Eletrobrás na esquina da Avenida Presidente Vargas com a Avenida Rio Branco (ao lado da Igreja da Candelária). Por volta das 17h30, os manifestantes seguirão em caminhada até a sede da Petrobrás, na Avenida República do Chile, no centro da cidade, com previsão de chegada às 19h. O ato no local deve ter duração de uma hora a duas horas.

Fonte: CUT / Escrito por: Rosely Rocha