“Construindo maioria democrática” será tema do próximo Soberania em Debate

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

O Soberania em Debate desta terça, 28 de agosto, às 15h, reúne duas valentes guerreiras nas lutas pelo Rio de Janeiro. A deputada Jandira Feghali, que vai buscar a reeleição na Câmara federal, e a urbanista Tainá de Paula, que vai tentar uma vaga como deputada estadual, falarão sobre a atual e conturbada conjuntura política do país e as eleições que se aproximam. O encontro acontece na sede do Senge/RJ, Avenida Rio Branco 277, 17º andar. E é parte da agenda do Movimento SOS Brasil Soberano, apoiado pelo Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro/Senge-RJ e pela Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros/Fisenge. 

Perfil dos palestrantes:

Jandira Feghali – Médica, política, deputada federal pelo PCdoB, candidata a reeleição. É autora da lei que garante a cirurgia reparadora de mama, em casos de câncer, através de planos e seguros de saúde e da Emenda Constitucional que permite o duplo vínculo dos profissionais de saúde. Foi coordenadora da bancada feminina no Congresso Nacional (1998/2004) e também vice-presidente da Frente Parlamentar da Saúde.

Tainá de Paula – Arquiteta e Mestre em Urbanismo pela UFRJ, candidata a Deputada Estadual pelo PCdoB. Ativista feminista e das lutas urbanas, pesquisou a requalificação de áreas subutilizadas da cidade e a ocupação desigual de territórios. Na Alerj, pretende garantir pautas relacionadas à mobilidade, habitação e “formas da gente se divertir, para além de existir na cidade”. Para ela, a relação da população pobre com a cidade precisa ser alterada. É assessora técnica do Movimento de Trabalhadores Sem Terra do Rio de Janeiro e coordena o projeto Brasil Cidades.

Sem público presente, com duração aproximada de 90min, o evento será transmitido pela internet, na página do SOS Brasil Soberano no Facebook. Estará aberto a perguntas que cheguem pelo  [email protected], além de reproduzido posteriormente em vídeo. 

 

FONTE: SOS Brasil Soberano