Sexta, 14 Junho 2013 00:00

Senge-VR: Sindicato rejeita proposta da CSN

Escrito por

Empresa ofereceu reajustes nada razoáveis no salário, cartão alimentação e bônus

O Sindicato dos Engenheiros de Volta Redonda (SENGE-VR)recusou a proposta da CSN de Acordo Coletivo 2013-2014. A reunião foi realizada no Escritório Central da empresa, na manhã desta quarta-feira, dia 12.A CSN apresentou proposta idêntica a que já havia sido recusada pela categoria dos Metalúrgicos, e o SENGE-VR considerou a referida proposta muito ruim.

Uma das mudanças oferecidas pela empresa foi reajuste de salário de 7,16% a partir de setembro deste ano, sobre o salário vigente em abril de 2013.Esse reajuste equivale à variação do INPC de maio de 2012 a abril de 2013. “Caso fosse dado a partir de maio, apenas reporia a perda de poder aquisitivo dos salários. Sendo aplicado a partir de setembro, equivalerá a embutir uma perda adicional de mais de 2,5%. Por absurdo, a CSN ainda limita o reajuste a um teto de R$ 300,00”, disse o presidente do SENGE-VR, João Thomaz.

SAMSUNG

Sobre o cartão alimentação, a empresa propôs o aumento de R$ 253,00 mensais para R$ 267,00 a partir de junho. “Além de aplicar o pequeno reajuste só a partir de junho, a CSN não considerou, neste caso que, entre maio de 2012 e abril de 2013, a inflação de alimentos atingiu 14%”, afirmou o presidente.

A CSN propôs também a incorporação do bônus atual, que é de 36,67% acima da lei, por um reajuste de 2,75% nos salários. Essa “incorporação” equivale à perda causada pelo reajuste apenas a partir de setembro, de acordo com proposta da empresa. “A conclusão lógica é que a CSN, por vias tortas, está simplesmente propondo acabar com o bônus de férias”, opinou Thomaz.

O Sindicato dos Engenheiros considerou esta proposta muito abaixo do que seria razoável para a classe. “Por isso nos posicionamos contra esta proposta absurda, idêntica à já apresentada aos Metalúrgicos, e recusada por ampla maioria”, finalizou Thomaz, concluindo que o custo de um acordo que não prejudique os trabalhadores é muito menor do que os R$ 560 milhões pagos pela CSN, só em 2013, de dividendos aos acionistas.