Segunda, 25 Maio 2015 15:58

Fisenge lança revista

Setor elétrico e desnacionalização da economia são alguns dos temas da revista da Fisenge, desse trimestre. A publicação ainda conta com uma matéria especial sobre assédio moral na administração pública e um artigo do sociólogo francês, François Vatin sobre "Declínio do ocidente e globalização do trabalho assalariado".


Confira aqui: https://goo.gl/mDsEV6

Fisenge lança revista

Publicado em Notícias

"Reforma política: o que a engenharia tem a ver com isso? Ruralistas e fundamentalistas ampliam bancada no Congresso Nacional".

Nesta edição, a revista da Fisenge traz uma matéria especial sobre os consensos possíveis para uma reforma política, os parlamentares eleitos ligados à engenharia e às áreas tecnológicas. Também há uma entrevista especial com o ex-ministro Gilberto Carvalho e um texto sobre o PLC 13/2013, que estabelece a engenharia como carreira de Estado.

Leia aquihttp://goo.gl/uNu8tL

Outros temas em pauta:

- Campanha do Coletivo de Mulheres pelo Fim da Violência contra a Mulher
- Lançamento do filme "Privatizações - A distopia do Capital", de Silvio Tendler
- Um artigo sobre regulação da mídia, de Rosane Berttoti, coordenadora do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC)
- Notícias dos sindicatos
- Diretora da Fisenge participa da 4ª Conferência de Mulheres da UNI e da Conferência Mundial de Profissionais
- Homenagem ao vice-presidente da Fisenge, Roberto Freire
- Manifesto pelo fim da corrupção e pelo aprofundamento da democracia brasileira

Publicado em Notícias

Entre os dias 4 e 5/12, aconteceu a 4ª Conferência Mundial de Mulheres da UNI, na Cidade do Cabo, África. A diretora da mulher da Fisenge, Simone Baía, que também participou do evento, relata que "a Conferência destacou a luta pelo empoderamento, ocupação dos espaços de poder pelas mulheres e igualdade de oportunidades. Estas são agendas estratégicas amplamente conectadas às pautas do Coletivo de Mulheres da Fisenge. Precisamos ampliar, fortalecer e incentivar a participação das mulheres nos sindicatos, mesas de negociação e demais instâncias de organização", disse Simone. Dentre as pautas comentadas, o fim da violência contra a mulher, foi outro tema central do encontro, que também homenageou Nelson Mandela com um minuto de silêncio. Ao todo, foram 211 delegadas, 61 observadores e 158 sindicatos, federações e confederações de todo o mundo.

Profissionais de todo o mundo
Já do dia 7 até 10/12, começou a 4ª Conferência Mundial de Profissionais da UNI. "Sindicatos de vários continentes partilharam suas experiências. Também debatemos estratégias de organização e filiação, bem como acordos e alianças globais e a questão dos direitos humanos nas relações ", afirmou Simone. Alguns dos pontos tratados foram: a luta contra o neoliberalismo em alguns países, como o Uruguai; o papel da comunicação pública; a importância de uma economia global e a necessidade de melhoria de salários entre homens e mulheres.
Philip Jennings foi reeleito como secretário-geral da UNI Global Union. No seu discurso pontuou: "Tenho orgulho de ser seu Secretário-Geral. Nós sabemos porque estamos UNI Sindicato Global. Sabemos o trabalho precisa ser feito. Obrigado África do Sul. Obrigado pelo trabalho que fizemos juntos. Você nos inspirou. A Mãe Continente e a Cidade Mãe que nos mudou ", disse ele, que finalizou "Estou ansioso para Liverpool. Vamos comemorar juntos com nossos afiliados do Reino Unido o 150º aniversário do primeiro Congresso de Sindicatos ".
Além disso, a Ann Selin foi eleita presidente da Uni. Ao aceitar a sua Presidência da UNI, Ann Selin agradeceu congresso pela confiança. Ann Selin é presidente do PAM o maior sindicato da Finlândia, passou a delinear os desafios enfrentados pelo movimento no futuro: "Embora tenhamos conseguido tanto, ainda há muito o que fazer. A mesma ideia de inclusão deve ser construída de baixo para cima. Precisamos ouvir o que os trabalhadores precisam de seus sindicatos para fazer por eles. Precisamos fazer com que a participação fácil. Precisamos organizar, organizar, organizar! ".

Antes Ann tinha discursado no congresso das mulheres. "Já é tempo de que todo mundo tem as mesmas oportunidades, independentemente do gênero. A capacidade das mulheres e das competências não estão ainda suficientemente utilizadas no mundo. Mesmo que constituem metade da população e temos metade do capital humano", acrescentou : "As mulheres são responsáveis por uma parcela enorme crescimento do ensino superior, mas isso não se reflete no mercado de trabalho. Sabemos, também, que as mulheres não estão em pé de igualdade com os homens quando se trata de pagar e cargos de decisão". Também citou como exemplo o fato de que " 46% das maiores empresas de todo o mundo não têm mulheres em suas direções. Devemos melhorar as redes, mas se o número de mulheres que não aumenta através de outros meios, Ann Selin ponderou que as cotas não devem ser excluídos como um eventual recurso. Além disso, as mulheres buscam responsabilidades de negócios nas empresas, em vez de apenas se esforçam para os lugares tradicionais de RH ou de comunicações.

"O movimento dos trabalhadores também tem muito a fazer para promover a igualdade de gênero. UNI adotou uma meta de ter pelo menos 40% de representação de ambos os sexos em todos os órgãos da UNI. Ann Selin disse que essa meta está quase cumprida. "Nós, mulheres, também devemos ajudar umas as outras para subir a escada do sindicato. Precisamos incentivar as mulheres a serem organizadores, dirigentes sindicais e disputar para as eleições de liderança sindical", concluiu Ann Selin.

O diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guy Ryder pediu aos sindicatos o forte combate à desigualdade. "Hoje, a luta pela justiça social, equidade no trabalho, por trabalhos decentes ainda exige perseverança e determinação para incluir todos. E esse é o desafio da UNI no movimento e no mundo do trabalho. Com mais de 200 milhões de pessoas desempregadas em todo o mundo, muitos mais sub empregados ou que trabalham informalmente, com a economia global ainda lutando para sair da cataclismo da crise financeira, os desafios são enormes."
Ryder ecoou mantra do movimento operário "o mundo precisa de um aumento de salário", e pediu aos líderes do G-20 para fazer de crescimento e emprego de qualidade a sua maior prioridade. "Sabemos que, muitas vezes, as condições continuaram a erodir a adesão - a globalização, tecnologia, política, transformação estrutural da economia - mas isso só reforça a necessidade imperativa da agenda organizadora, que a CSI colocou no centro do seu trabalho", finalizou Ryder.

Homenagem a Nelson Mandela Mandela
Ativista Anti-Apartheid, ex-prisioneiro de Robben Island e "lenda viva" Ahmed Kathrada recebeu o prêmio “Livre do Medo”, durante a abertura da Conferência, que comoveu milhares de pessoas. Em um discurso inspirador, emotivo e apaixonado, Kathrada prestou homenagem a Nelson Mandela, conhecido como"Madiba". "Não importa o que ele falou - reis, rainhas, camponeses, aristocratas, ele falou com eles de igual para igual. Nós sentimos falta dele por sua humanidade. Por sua companhia, de uma pessoa que considerava todos nós como iguais - independentemente da cor, independentemente da idade, éramos todos seus iguais. Na sua presença, todos nós sentimos confortáveis", concluiu Ahmed.

 

Diretora da Fisenge participa da 4ª Conferência de Mulheres da UNI e da Conferência Mundial de Profissionais

Publicado em Notícias
Página 4 de 4