A Bahia concentra o maior número de desempregados e desalentados, o Maranhão dos sem carteira e o Piauí daqueles que precisam e querem trabalhar mais horas, mas não conseguem

Maiores taxas de desemprego, subutilização e desalento estão no Nordeste

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

O Nordeste, Região atacada pelo governo, que falou até em cortar recursos dos governadores "paraíba", concentra as maiores taxas de desemprego, trabalhadores sem carteira assinada, subutilizados e desalentados, de acordo com os dados do 2º trimestre de 2019, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta quinta-feira (15), pelo IBGE.

taxa de desemprego do 2º trimestre deste ano no país foi de 12%, o que equivale a 12,8 milhões de trabalhadores e trabalhadoras fora do mercado formal de trabalho. As maiores taxas foram registradas na Bahia (17,3%), Amapá (16,9%) e Pernambuco (16,0%). Já as menores foram observadas em Santa Catarina (6,0%), Rondônia (6,7%) e Rio Grande do Sul (8,2%).

Entre os sem carteira assinada, os campeões também estão no Nordeste. O percentual de trabalhadores sem carteira e, portanto, sem direitos assegurados em todo o país foi de 25,7%. E os estados com os maiores percentuais foram  Maranhão (49,7%), Piauí (48,0%) e Pará (47,3%). As menores taxas foram registradas em Santa Catarina (12,4%), Rio Grande do Sul (16,7%) e Paraná (18,6%).

subutilização atinge 28,4 milhões de brasileiros que poderiam e querem trabalhar mais horas e não conseguem em todo o país. E, mais uma vez, estados nordestinos estão entre os mais afetados por este drama. As regiões mais afetadas por falta de trabalho foram Piauí (43,3%), Maranhão (41,0%) e Bahia (40,1%). Já as menores taxas foram em Santa Catarina (10,7%), Rondônia (15,7%) e Mato Grosso (15,8%).

desalento, trabalhadores que desistiram de procurar emprego, atingiu 4,9 milhões de pessoas no 2º trimestre de 2019. Os maiores contingentes de desalentados estão na Bahia (766 mil pessoas) e no Maranhão (588 mil) e os menores no Amapá (13 mil) e em Rondônia (15 mil).

O percentual de brasileiros e brasileiras desempregados, fazendo bicos, ou trabalhando por conta própria, como diz o IBGE, foi de 25,9% no 2º trimestre deste ano. E mais uma vez, as maiores vítimas da crise econômica são os nordestinos e nortistas. Os estados com os maiores percentuais de trabalhador por conta própria foram Pará (35,6%), Amapá (35,1%) e Amazonas (34,3%). Já os menores foram Distrito Federal (19,6%), Mato Grosso do Sul (20,9%) e São Paulo (21,7%).

Confira na página do IBGE

 

Fonte: CUT / Escrito por Marize Muniz

Publicado em Notícias
Quarta, 18 Abril 2018 16:39

Senge-PE promove debate sobre apagão

Na tentativa de esclarecer a população, imprensa e categoria a respeito da causa do apagão do dia 21 de março que afetou o Norte e o Nordeste do país, o Sindicato dos Engenheiros de Pernambuco, Senge-PE, realizará uma palestra com o engenheiro e ex-diretor de engenharia e construção e ex-diretor de operação da Chesf, José Ailton Lima. O evento acontecerá no próximo dia 26 (quinta-feira), a partir das 19h, no auditório do Sindicato, localizado na Rua José Bonifácio, 205, sala 307, Madalena.

O evento faz parte de um ciclo de palestras chamado “Papo de Engenheiros/as”, que debate temas relacionados à engenharia

O APAGÃO

Às 15H48 do dia 21 de março, 14 estados das regiões Norte e Nordeste ficaram sem energia, foram eles Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rondônia, Sergipe e Tocantins. Além de uma queda de energia pontual em outros oito estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal). Cerca de 70 milhões de pessoas foram afetadas.

Por volta das 19h, já havia sido reestabelecida em quase todos os locais, 50% da região Nordeste permanecia sem energia. O Operador Nacional do Sistema Elétrico, ONS, alegou, 16 dias após o incidente, que o apagão foi causado por erro humano na subestação Xingú, no Pará, de propriedade de uma das concessionárias do grupo chinês State Grid.

O excesso de termos técnicos dificulta o entendimento da população em relação ao motivo que gerou o apagão. Poderá esse incidente ser comparado a conhecida “crise do apagão” dos anos 2001 e 2002? O acontecimento teve um fundo político? Por que o Nordeste foi a última região a ter o fornecimento de energia estabilizado?

Essas e outras perguntas serão respondidas durante nosso evento. Assim como novos questionamentos serão feitos.

Fonte: Senge-PE

Senge-PE promove debate sobre apagão

 

Publicado em Notícias


A privatização das usinas hidrelétricas do Sistema Eletrobrás, que inclui a venda da Companhia Hidroelétrica do São Francisco, Chesf, anunciada pelo governo de Michel Temer em julho, representa uma ameaça à soberania e à segurança nacional. No último dia 25, o ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho, anunciou que na primeira semana de outubro apresentará a modelagem da privatização da Companhia, que deverá ser vendida ainda no primeiro semestre de 2018.

O governo atua na contramão das necessidades nacionais. A energia, assim como a água, é interesse público, estratégico para o desenvolvimento de qualquer país. Não é uma mercadoria, para ser administrada dentro das leis de mercado, muito menos, ser entregue à iniciativa privada para cobrir déficit das contas públicas.

A entrega da Eletrobras ao capital financeiro estrangeiro é um atentado ao país. Terá como consequências queda na qualidade de energia, com aumento da tarifa e possibilidade de apagões; enxugamento do quadro de trabalhadores das empresas, gerando desemprego; enfraquecimento das empresas nacionais e o sucateamento da engenharia brasileira.

A privatização da Chesf significa, ainda, a entrega das águas do rio São Francisco, que possui 70% da reserva hídrica do Nordeste. Que, com seu uso múltiplo (consumo de água para uso humano, para produção agrícola através da irrigação e da agricultura familiar, da pesca artesanal e, por fim, a geração da energia elétrica), tem um papel estratégico para o desenvolvimento da região. Ou seja, a venda da Companhia compromete, também, a segurança hídrica e ambiental da região.

Se faz urgente a mobilização da sociedade na defesa do Sistema Elétrico Brasileiro, da Chesf e do Rio São Francisco. O Sindicato dos Engenheiros no Estado de Pernambuco (Senge-PE) repudia a venda da Eletrobras e da Chesf, e defende que o setor elétrico, estratégico para a nação, permaneça sob a administração do Estado.

Convocamos todos os engenheiros e todas as engenheiras de Pernambuco para participar desta luta em defesa da engenharia, do desenvolvimento social e da soberania nacional.

Sindicato dos Engenheiros no Estado de Pernambuco (Senge-PE)

Recife, 26 de setembro de 2017.

SENGE-PE REPUDIA A PRIVATIZAÇÃO DA CHESF/ELETROBRAS

Publicado em Notícias

Em carta enviada a Michel Temer, os governadores do Nordeste criticam a intenção do governo federal de privatizar a Eletrobras, indicam que a proposta de regulação dos preços em discussão pela União poderá elevar os preços entre 7% e 17% aos consumidores e apontam a importância da Chesf, uma das controladas da estatal federal, para o abastecimento hídrico dos nove estados da região, pois a privatização limitaria o uso múltiplo das águas. “Com isso (a privatização), põe em risco a segurança hídrica de numerosa população e ainda desestimula que levemos adiante estudos e planos para outros usos da água, no que podemos estar comprometendo o futuro de gerações”, descreve a carta. 

Teme-se ainda que as vendas não sejam guiadas pelo aumento da eficiência do setor elétrico, mas “motivadas também pela necessidade de socorrer as finanças do governo com os recursos captados nas operações”.  Para eles, “um setor que exerce tamanho impacto sobre todas as cadeias produtivas e camadas sociais não deve, em hipótese alguma, financiar ou cobrir déficits no caixa do governo”.

Sobre o novo marco legal do setor, em discussão desde julho e cuja audiência pública deverá ser iniciada em breve, os governadores afirmam que a proposta de “descotização” da energia deverá elevar os preços aos consumidores.Em setembro de 2012, a então presidenta Dilma Rousseff decretou a MP 572, posteriormente transformada na Lei 12.783, que instituiu o regime de cotas de energia de grandes hidrelétricas cujas concessões expirariam entre 2013 e 2015. A a maioria delas pertencia à Eletrobras, Cemig, Cesp e Copel.

“Em consequência, desde 2013 cerca de 20% da energia alocada no mercado regulado é “comercializada” a preços atuais por valores entre 40 e 80 reais o megawatt-hora”, relatam os governadores. Hoje, a quase totalidade dessas usinas é operada pelo grupo Eletrobras, com contratos de concessão firmados em 2013 e prazo final em 2043.

“A ‘descotizacão’ significará o rompimento desses contratos. Na opinião dos técnicos da Aneel, a modificação pretendida acarreta riscos de instabilidade setorial, ao abalar a segurança jurídica dos contratos vigentes. Liberada do regime de cotas, fatalmente a energia “velha” será recolocada no mercado por algo em torno de R$ 200/MWH, a preços de hoje”, destacam.

Em razão disso, “as medidas anunciadas, especialmente a suspensão do regime de cotas, terão como consequência imediata e inevitável um aumento significativo na conta de energia dos brasileiros”, observam aos governadores. Segundo eles, esta opinião está baseada em pronunciamento oficial da Agência Nacional de Energia Elétrica, que estima o reajuste da conta de luz em percentuais que variam de 7% a 17%. “Há que se considerar ainda o histórico das privatizações brasileiras que, prometendo sempre melhorar a qualidade e baratear as tarifas, costumam levar a resultados insatisfatórios, como podem verificar os clientes de operadoras de telefonia celular, extremamente deficientes.”

Em relação à privatização da Eletrobras, há preocupação em relação ao sistema Chesf, que reúne hidrelétricas, térmicas, linhas de transmissão e eólicas no Nordeste, com vários empreendimentos ao longo do rio São Francisco, principal fonte hídrica dos nove estados. O principal receio é de que a transferência para investidores privados do controle operacional das usinas do sistema Eletrobras, particularmente daquelas geridas pela Chesf, condicionaria por décadas o projeto ou ação que demande água do Rio São Francisco. “Lembramos que o passo seguinte à ‘descotização’ será a realização de leilão de outorga, por trinta anos, da energia gerada pelas usinas da Chesf. Assim, estaremos de fato privatizando as usinas, repassando-as a investidores por, pelo menos, trinta anos. Note-se ainda que, como todas essas usinas são movidas a água, o processo compromete previamente a vazão dos rios necessária à geração da energia contratada, ficando prejudicado qualquer outro uso atual ou futuro”, escrevem os governadores.

O texto conclui: “No caso particular do Rio São Francisco, a recorrência de ciclos hidrológicos críticos, como o vivenciado no Nordeste ao longo da presente década, já recomendariam cautela antes de se colocar em pauta qualquer projeto de transferência da operação para investidores privados”.

 

Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

Fonte: Carta Capital

O Nordeste contra a privatização da Eletrobras

Publicado em Notícias

Em virtude da transferência de postos de trabalho de cerca de 85 engenheiros, com exclusão do adicional de periculosidade, o Senge-PE se posiciona e envia carta à presidência da Companhia exigindo suspensão da decisão que penaliza a categoria.

A medida foi direcionada a engenheiros que recebem remuneração mensal igual ou superior a R$30.000,00, em sua maioria, com mais de três décadas de colaboração à Companhia.

"Depois de tamanha contribuição, os trabalhadores estão sendo perseguidos na empresa, o que reflete em assédio moral e discriminação em face da idade. Nós estamos ao lado da categoria, e não vamos permitir atitudes como esta", ressalta o presidente do Senge-PE Fernando Freitas. Para ele, tal medida surge para forçar uma adesão compulsória ao Plano de Demissão Voluntária em vigor.

O Senge-PE, em documento oficial enviado à Chesf, solicita, além da suspensão das transferências ou alteração nas atividades atuais, uma reunião com a diretoria da empresa para tratar do assunto.

 Fonte: Marine Moraes/Senge-PE

Senge-PE cobra suspensão de transferências de engenheiros da Chesf

Publicado em Notícias