Sexta, 21 Dezembro 2018 15:03

7 motivos para contratar um engenheiro

• PLANEJAMENTO: o engenheiro planeja, organiza e supervisiona a obra, com o objetivo de prever e prevenir eventuais acidentes. O profissional da engenharia também é responsável pela concepção, desenvolvimento, dimensionamento, melhoramento e aplicação dos processos e produtos, operação de plantas químicas e aplicação das tecnologias e processos ligados às produções agrícola e pecuária;

• REDUÇÃO DE CUSTOS: o trabalho deste profissional pode diminuir consideravelmente os custos, desde a escolha de materiais de qualidade, gerenciamento de mão de obra, cumprimento de prazo e revisão de especificações técnicas. Desta forma, o engenheiro evita que obras sejam paralisadas ou reiniciadas por erros técnicos;

• SEGURANÇA E CONFORTO: um imóvel bem projetado garante uma estrutura confiável para você, sua moradia e/ou o seu negócio. O engenheiro também é responsável por garantir alimentos seguros e saudáveis;

• FORMAÇÃO E RESPONSABILIDADE TÉCNICA: o engenheiro é responsável legal, por meio da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), pela execução da obra, respondendo, inclusive, a penalidades;

• GERENCIAMENTO: o engenheiro gerencia os trabalhadores que atuam no projeto, os fornecedores, o controle de custos e, principalmente, a execução correta da obra e dos processos;

• ORGANIZAÇÃO: o engenheiro atua desde o planejamento, elaboração e cumprimento do cronograma até a divisão de tarefas;

• SOLUÇÃO: o engenheiro dá vida e forma às necessidades de sua obra, produto ou processo, gerando soluções com eficiência.

Fonte: Comunicação Fisenge

7 motivos para contratar um engenheiro

Publicado em Notícias

11 de dezembro: dia nacional do engenheiro e da engenheira. Confira a homenagem da Fisenge para os profissionais que contribuem todos os dias para a qualidade de vida da população.

11 de dezembro: dia nacional do engenheiro e da engenheira

Publicado em Notícias

Em comemoração ao dia do Engenheiro, o Sindicato dos Engenheiros de Volta Redonda (SENGE-VR) realizará nesta terça-feira, 12 de dezembro, às 19 horas, palestras sobre os temas: “O Engenheiro e suas organizações associativas: quais são e para que servem?”, com Marcelo Estevão dos Santos e “Interdisciplinaridade em Ciência, Engenharia e Inovação”, com Emannuel de Paiva Andrade, na AEVR (Rua 90-B, 17 -Vila Santa Cecília- Volta Redonda). Marcelo é engenheiro civil, diretor do Senge-VR, professor da UNIFOA e ex-agente de fiscalização do Crea-RJ. Emannuel é doutor em engenharia de produção e professor de Inovação e Gestão do Conhecimento no Departamento de Engenharia de Produção da UFF

 

 

Senge-VR promove palestras pelo Dia do Engenheiro e da Engenheira

Publicado em Notícias

A Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) lançou, no dia 11/12, três vídeos em homenagem ao dia do engenheiro. Com o mote "A engenharia faz parte de nossas vidas", as inserções trazem temas como moradia, energia e ciência e tecnologia, além de abordarem a importância da defesa da engenharia e da soberania nacional. Confira:

Habitação: homenagem do engenheiro civil e vice-presidente da Fisenge, Ubiratan Félix



Energia: homenagem do engenheiro eletricista e diretor da Fisenge, Roberto Freire


Ciência e Tecnologia: homenagem da engenheira química e diretora da mulher da Fisenge, Simone Baía

 

Em vídeos, profissionais prestam homenagem ao Dia do Engenheiro

 

Publicado em Notícias

Dia 11 de dezembro, dia do Engenheiro, será marcada por uma sessão especial na Câmara Municipal de Salvador, em homenagem à categoria. O evento acontece a partir das 09h, no Plenário Cosme de Farias e é organizada pelo Sindicato dos Engenheiros da Bahia (Senge-BA), Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia (Crea-BA) e pelo mandato do vereador Leo Prates.

Na ocasião, o Senge-BA fará homenagens profissionais com destacada atuação na área: a engenheira civil, professora e a primeira mulher a ocupar a diretoria da Escola Politécnica da UFBA, Tatiana Dumêt; a engenheira de alimentos, Márcia Nori, vice-presidente do Senge-BA e professora da Universidade Estadual de Feira de Santana; Paulo Medeiros, engenheiro civil extremamente atuante nas entidades representativas da categoria; e, o engenheiro civil, Asher Kiperstok, coordenador da Rede de Tecnologias Limpas da Universidade Federal da Bahia e atuante na prevenção a poluição e na engenharia sanitária e ambiental, o engenheiro e servidor público José Casqueiro (Codesal) e o ex-secretário de Transportes Urbanos de Salvador e ex-superintendente do Setps (sindicato das empresas de ônibus), Horácio Brasil (in memoriam)

Serviço:

Sessão Especial em homenagem ao Dia do Engenheiro

Data: 11 de dezembro de 2017

Horário: 09h

Local: Plenário Cosme de Farias – Câmara Municipal de Salvador

Dia do Engenheiro terá sessão especial na Câmara Municipal de Salvador

Publicado em Notícias

Clovis Nascimento*

No dia 11 dezembro, comemoramos o Dia do Engenheiro e da Engenheira. A atual crise política e econômica no Brasil nos exige uma reflexão profunda. Deflagrada em março de 2014, a operação Lava Jato, cujo objetivo era de investigar lavagem e desvio de dinheiro na Petrobras, tomou rumos que ameaçam a engenharia e a soberania nacional. A legislação brasileira prevê a punição de empresas, impedindo a celebração de contratos com setor público e paralisando obras, quando deveria punir os dirigentes e os administradores, responsáveis pelo atos de corrupção. Países da Europa e dos EUA aplicam o método de “self cleaning”, imputando além de suspensão temporária de contratos e multas, a exigência de um programa rigoroso de combate à corrupção na empresa para a retomada dos negócios. A IBM, por exemplo, retomou os contratos com o governo oito dias após a interdição determinada em 2008, de acordo com o Public Contract Law Journal. Diante de fraudes nos contratos da GE com o Pentágono, em 1992, os contratos foram suspensos e retomados cinco dias depois com a apresentação de um sistema de vigilância interna.

As consequências da punição das empresas são demissões em massa, achatamento da economia e perda de competitividade no mercado. Consultorias estimam prejuízos da ordem de mais de R$150 bilhões. Nesse cenário, a engenharia brasileira foi diretamente atingida com o fechamento das empresas e a suspensão dos contratos. Dados da RAIS/Ministério do Trabalho compilados pelo Dieese apontam que a evolução do estoque de empregos de profissionais da engenharia cresceu 72,8%, entre 2005 e 2014, cerca de 6,3% ao ano. Já entre 2014 e 2016, o emprego caiu 10,4%, justamente no período da Lava Jato, comprovando os ataques à engenharia nacional.

Diante dessa avenida de oportunidades, empresas estrangeiras estão desembarcando no Brasil com o objetivo de assumir as contas, ameaçando a soberania nacional e a geração de empregos. A corrupção é abominável e traz danos para toda a sociedade brasileira. Fechar as empresas nacionais representa uma irresponsabilidade com o país e também não contribui para um processo pedagógico de combate à corrupção dentro da administração das empresas. Não são apenas os engenheiros que são demitidos, como também uma rede de milhares de trabalhadores. Um dos casos mais emblemáticos é o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), localizado no município de Itaboraí, orçado em US$13,5 bilhões e milhares de trabalhadores demitidos e um total abandono de um projeto de expansão da capacidade de refino da Petrobras.

A engenharia brasileira tem um sentido estratégico de defesa da soberania nacional, estímulo à economia e geração de empregos. Mais do que comemorar, é preciso resistir em defesa da engenharia e da soberania nacional.

*Clovis Nascimento é engenheiro civil e presidente da Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros

Dia do engenheiro: mais do que comemorar, é preciso resistir

Publicado em Notícias

Uma noite cheia de emoções. Assim foi a solenidade organizada pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia (Crea-BA) para homenagear os engenheiros, realizada na noite desta segunda-feira (12), no Hotel Fiesta, em Salvador. O evento foi marcado por um encontro de gerações onde estudantes se confraternizaram com os profissionais que completaram 50 anos de formação. Ainda na ocasião os homenageados puderam assistir a palestra “A engenharia Pavimenta o Novo Ciclo”, proferida pelo professor Ênio Padilha.

O presidente do Crea-BA, engenheiro mecânico Marco Amigo, falou na oportunidade sobre a importância de os engenheiros dedicarem um tempo para as questões relacionadas à profissão, garantindo representatividade nas entidades e fóruns de discussão. “Precisamos atravessar esse momento de crise participando mais ativamente do processo de redesenho da nossa nação. Devemos ser protagonistas e ajudar a construir políticas e acompanhar a sua execução. Não podemos deixar isso apenas nas mãos dos políticos, que desconhecem as especificidades da nossa área”, revela.

Representando o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia, o conselheiro federal Alessandro Machado, destacou os esforços do Confea em garantir aperfeiçoamento e mercado aos profissionais da área tecnológica. “A organização está trabalhando no acordo de reciprocidade com outros países e viabilizando a integração também nacional dos profissionais com a criação de frentes parlamentares”.

O presidente do Instituto Politécnico da Bahia (IPB), professor Caiuby Alves da Costa, lembrou do programa Agenda Bahia de Desenvolvimento, iniciativa desenvolvida em parceria com o Crea, que propôs aos profissionais refletirem sobre temas que precisam ser discutidos para a melhoria da engenharia baiana e brasileira.

Joseval Carqueija, diretor da Mútua Bahia, lembrou que a Caixa de Assistência dos Profissionais do Crea, em 2017, completará 40 anos de serviços aos profissionais da área tecnológica e que a Bahia está na terceira colocação nacional em benefícios. A diretora do Crea, Karen Daniela Melo, que na ocasião representou as profissionais e as entidades do interior do estado, enfatizou a importância de as gerações se encontrarem e de as mulheres estarem mais presentes no sistema.

Os 50 anos da cartilha do salário-mínimo profissional foram lembrados pelo presidente do Sindicato dos Engenheiros da Bahia (Senge-BA), Ubiratan Félix. Ele fez ainda uma homenagem especial a turma de 1966. “Esses profissionais foram além da fronteira da engenharia e fizeram grandes realizações”. Reforçando as palavras de Félix, o coordenador do CreaJrBA, Leonardo Reis, afirmou que é importante conhecer e reconhecer o passado para construir o futuro. “O CreaJrBA é o futuro do sistema Confea/Crea e nos honra muito poder participar deste momento”.

Representando as turmas de 1966, o engenheiro químico Adary Oliveira agradeceu as homenagens do Crea. “Os engenheiros da Turma Dom Hélder Câmara contribuíram substancialmente para melhorar a vida dos brasileiros. Todos acreditam que o Brasil não merece estar submerso na onda de pessimismo que o domina desmerecidamente. Todos têm certeza que o País vai superar os momentos de dificuldade com suas próprias forças e vontade de trabalho”. Todos os formados receberam placas em reconhecimento pelos serviços prestados à Bahia.

A palestra “A engenharia Pavimenta o Novo Ciclo”, proferida pelo professor Ênio Padilha, abordou o porquê e o que fazer para minimizar as crises, bem como apresentou dicas de como sair melhor de um momento ruim. “As crises são cíclicas. A credibilidade nas ações do governo e a confiança das pessoas no futuro são fundamentais para garantir a estabilidade ou o crescimento da economia”, finaliza.

Fonte: Ascom Crea-BA

Dia do Engenheiro, na Bahia, é marcado por homenagens as turmas de 1966

Publicado em Notícias

No dia 12/12, durante a manhã, foi lançada a Frente Parlamentar em defesa das áreas tecnológicas (Engenharias, Arquitetura, Agronomia, Geografia, Urbanismo e demais Áreas Técnicas e Tecnológicas Afins), que será presidida na Assembleia pela deputada Maria del Carmen, engenheira civil e presidente da Comissão Especial de Desenvolvimento Urbano da Alba.O evento marca a comemoração do Dia do Engenheiro, celebrado no 11 de dezembro.


A deputada afirmou a necessidade da Frente ter caráter misto, envolvendo, além dos parlamentares, entidades representativas dos profissionais das áreas e da sociedade civil em geral para tratar e acompanhar propostas e projetos de lei referentes ao tema, assim como promover debates e eventos que dialoguem com a sociedade e o Poder Público.


E foi justamente essa a composição da mesa de abertura, parlamentares – Marcelino Galo, que será o 1º vice-presidente – e representantes das entidades profissionais – CREA-BA, SENGE-BA, CONFEA, entre outros – falaram da importância de acender o debate sobre as áreas tecnológicas, devido sua importância para o desenvolvimento do estado e nacional. Em sua fala, o presidente do Sindicato dos Engenheiros da Bahia e engenheiro civil , Ubiratan Félix ressaltou a crise que a Engenharia do Brasil enfrenta na atual conjuntura, perdendo espaço no mercado internacional e local, alertando para necessidade do investimento do Estado brasileiro e defesa das áreas tecnológicas, profissionais e empresas para garantir a economia e a soberania do país.


Na ocasião, o Senge-BA distribuiu a cartilha “50 anos do Salário Mínimo Profissional”, produzida pela Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge). E também foi exibido o vídeo “Lei é para ser cumprida”, do projeto Engenheira Eugênia, do coletivo de mulheres da Fisenge.

Fonte: Senge_BA

Lançada, na Bahia, Frente Parlamentar em defesa das áreas tecnológicas

Publicado em Notícias

Nas últimas décadas, a engenharia brasileira passou por inúmeras crises políticas e econômicas. Passamos pelo período de hiperinflação, troca de moedas e a desindustrialização dos anos 90. Os engenheiros quase viraram suco, mas resistimos. A partir de 2003, colhemos frutos com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), as obras de infraestrutura, os programas de financiamento da casa própria e de agricultura familiar, a descoberta do pré-sal e a reestruturação da indústria naval. A engenharia era um dos cursos mais disputados nos vestibulares. Tempos auspiciosos para a engenharia brasileira com o fortalecimento de empresas, geração de empregos, investimentos em infraestrutura e competitividade internacional. Agora, em 2016, vivemos uma atmosfera de instabilidade política e econômica, que devasta as nossas profissões.

Em um quadro de recessão econômica, os primeiros cortes são os investimentos em infraestrutura, justamente o setor que poderia reverter o atual cenário. Quando há aceleração da economia, a demanda por engenheiros é maior. Somos mais de um milhão de profissionais registrados no Sistema Confea/Creas. A engenharia é uma atividade intelectual e prática que contribui para a produção de um sentido útil na coletividade e para a formulação de soluções. Em uma pesquisa realizada pela Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge), as preocupações evidentes dos engenheiros e das engenheiras são a defesa do Salário Mínimo Profissional, a atuação em questões nacionais e a defesa da engenharia. Foram ouvidos 725 profissionais numa média de 3.200 participantes, durante a Semana Oficial de Engenharia e Agronomia, realizada em Foz do Iguaçu, em setembro.

No mesmo ano que comemoramos os 50 anos do Salário Mínimo Profissional (lei 4.950-A/66), nossa categoria enfrenta tempos sombrios de desaceleração econômica. Contudo, sabemos que a saída da crise também é política. A institucionalidade alarga seus flancos, onerando ainda mais o processo democrático. Dentro de uma perspectiva histórica, a saída política é a disputa de narrativa pelo fortalecimento do setor público. O corte não pode ser feito em investimentos, sob o argumento de gasto. É inadiável o debate sobre a auditoria da dívida pública, bem como uma reforma tributária.

Em um exercício de cooperação, poderemos recuperar as empresas nacionais, restaurar a capacidade de arrecadação e promover uma política de redução dos juros. A retomada do círculo virtuoso da engenharia é por meio da recuperação da capacidade de investimento do setor público e os acordos de leniência com as empresas nacionais. Com a inteligência técnica da engenharia e vontade política, podemos retomar a construção de um projeto de nação comprometido com a igualdade de oportunidades, a justiça social e solidariedade.

Mais do que comemorar, 11 de dezembro é uma data para resistirmos. Resistir em defesa da engenharia e da soberania nacional.

Clovis Nascimento é engenheiro civil e sanitarista e presidente da Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge)

11 de dezembro: resistir em defesa da engenharia e da soberania nacional

Publicado em Notícias

Este é um momento festivo, mas também de reflexão. Se eu fosse advogado, talvez eu falasse a importância da Justiça e não apenas do cumprimento da lei. Se fosse médico, talvez falasse das dificuldades do médico em conciliar o progresso científico com os limites éticos que garanta o respeito à vida, as crenças e a cultura de cada ser humano. Mas como sou engenheiro, vou falar da importância do Engenharia para o desenvolvimento do Brasil.

O Brasil é o terceiro maior exportador de alimentos do planeta, atrás apenas dos Estados Unidos e da União Européia. Apenas para exemplificar, somos o primeiro exportador de carne bovina, de carne de frango, de café, suco de laranja e açúcar; o segundo maior exportador de soja e milho e um grande exportador de amêndoas de cacau e carne suína. Em outra frente, somos o maior exportador de minérios de ferro e de diversos outros produtos não elaborados que os economistas classificam como commodites.

Infelizmente não somos grandes exportadores de produtos finais e elaborados. O Brasil exporta amêndoas de cacau e consome chocolate suíço, que com agregação da tecnologia (o saber fazer) dos suíços tem valor de mercado 150 vezes maior do que o produto não elaborado exportado pelo Brasil (amêndoa de cacau). Logo, para consumir 200 gramas de um bom chocolate suíço, temos de exportar 30 quilos de amêndoas. Quanto mais tecnologia agregada a um produto, maior é o seu preço e mais empregos são gerados na sua fabricação. 

Os chineses, europeus, americanos e indianos sabem disso, e por este motivo investem na formação de engenheiros, na pesquisa científica e tecnológica. Eles nos vendem uma placa de computador que pesa 100g por US$ 400 e para importarmos esta mesma plaquinha eletrônica precisamos exportar cinco toneladas de minério de ferro.

Para mudarmos este quadro, precisamos de conhecimento e tecnologia, já que temos abundância de recursos naturais e energia. E quem desenvolve tecnologia somos nós, os engenheiros, nas suas diversas modalidades. É importante compreendermos que os países “donos” do conhecimento científico e tecnológico são os detentores das decisões econômicas, do dinheiro, do poderio militar e das riquezas do mundo.

A Coréia do Sul é um exemplo emblemático. Nos últimos 50 anos o país se desenvolveu e se transformou num player da economia mundial. Sua população, de 49 milhões de habitantes é quatro vezes menor que a do Brasil. Porém, este país asiático forma duas vezes e meia mais engenheiros do que nós. Enquanto formamos um engenheiro para cada 6,3 mil habitantes, os coreanos formam 1 para cada 612,5 habitantes. Os Estados Unidos formam o dobro de engenheiros do Brasil. A China forma por ano 400 mil engenheiros, enquanto que a India forma 250 mil. Em termos de investimentos em pesquisa e tecnologia, o Brasil investe 1,11% do PIB (2008). Já os Estados Unidos investem 2,68%.

As Escolas de Engenharia no Brasil, com todas as suas possíveis deficiências, formam engenheiros capazes de desenvolver tecnologias. Infelizmente, o mercado nacional nem sempre aproveita todo esse potencial científico dos nossos engenheiros. O engenheiro brasileiro tem uma grande capacidade de adaptação, criatividade e “improvisação“, no bom sentido da palavra, pois mesmo em face das dificuldades que encontramos em nossas instituições de ensino, no mercado de trabalho e na falta de recursos para desenvolvimento cientifico e tecnológico etc, ainda assim nossos profissionais conseguem ser “Mestres e Doutores“ na superação de obstáculos e dificuldades.

Finalmente, gostaria de parabenizar todos os profissionais de Engenharia pela contribuição positiva que oferecem à nossa sociedade no desenvolvimento técnico, cientifico social e econômico, pois neste dia importante de reconhecimento da nossa profissão, é fundamental reafirmamos o nosso Compromisso Com A Engenharia e Com o Brasil.


Engenheiro Civil Ubiratan Félix Pereira dos Santos, Presidente do Sindicato dos Engenheiros da Bahia e Professor do IFBA

11 de dezembro: Dia do Engenheiro Construtor do Desenvolvimento Nacional

Publicado em Notícias
Página 1 de 3