NOTÍCIAS

Confira o resultado e a lista completa dos eleitos para Diretoria, Conselho Fiscal e Representantes Sindicais na Fisenge para o triênio 2018-2020


As eleições gerais do Sindicato dos Engenheiros no Estado do Espírito Santo (Senge-ES) foram realizadas no dia 30 de agosto. Na ocasião foram eleitos(as) os(as) integrantes (titulares e suplentes) da Diretoria, do Conselho Fiscal e os(as) Representantes Sindicais junto à Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) para a gestão 2018-2020. A Chapa 1: RESILIÊNCIA foi eleita com 92,43% dos votos válidos para Diretoria e para os Representantes na Fisenge. Já a Chapa 1: ESTRUTURAL foi escolhida por 88,65% dos votos válidos para assumir o Conselho Fiscal. A apuração foi realizada no dia 30 de agosto, quando a Ata da Sessão Eleitoral da Apuração de Votos foi lavrada e assinada pelo presidente e escrutinadores da mesa apuradora de votos, pelos fiscais da mesa apuradora de votos e pela comissão eleitoral.

Momento de unidade
A Eleição Geral de 2017 permitiu inscrição de chapas para Diretoria, Conselho Fiscal e Representantes Sindicais junto a Fisenge, todos com mandato entre 2018-2020. Apenas uma chapa foi inscrita para concorrer em cada uma dessas modalidades. O resultado do pleito corrobora o momento de unidade vivido no Senge-ES. As chapas eleitas contém Diretores da administração 2015-2017 com a adesão de novos membros. O objetivo é dar continuidade ao trabalho, bem como intensificar as ações na defesa de seus profissionais.

LISTA DOS ELEITOS
CHAPA – RESILIÊNCIA
DIRETORIAS EFETIVOS SUPLENTES


Presidente ARY MEDINA SOBRINHO
Vice- Presidente MARCONI PEREIRA FARDIM -
Administrativa e Organização ELIANE MATIELO OLIVEIRA MAURÍCIO LUIZ GORZA
Finanças JOSÉ MANOEL MIRANDA DE OLIVEIRA LUIZ ANTONIO COLA DOS SANTOS
Comunicação LUIS FERNANDO FIOROTTI MATHIAS FILIPPO DE CARVALHO GAVA
Jurídica VICENTE LOPES JUNIOR ADELSON VIVALDI
Formação ROGÉRIO DO NASCIMENTO RAMOS CARLOS DE LAET SIMÕES OLIVEIRA
Negociação Coletiva HENRIQUE GERMANO ZIMMER PAULO BUBACH

REPRESENTANTES
SINDICAIS NA FEDERAÇÃO EFETIVOS SUPLENTES
SILVIO ROBERTO RAMOS VICTOR LODI
MANOEL HENRIQUE VIANNA LOUREIRO HEBER COSTA BEBER


CHAPA – ESTRUTURAL
CONSELHO FISCAL EFETIVOS SUPLENTES
ROMULO STORCH VASCONCELOS RENATO COSTA
ADELAR CASTIGLIONI CAZAROTO MILCON GOMES JUNIOR
MARCOS ADRIANY MARTINS

Senge-ES: nova diretoria eleita com 92% dos votos

 

Fonte: Flavio Borgneth/Senge-ES

 

Publicado em Notícias

Corte nos recursos federais afeta de forma alarmante o orçamento destinado à ciência e tecnologia brasileira. Cientistas estão buscando melhores condições fora do país.

 

 Por Laura Ralola com entrevistas de Camila Marins

 

Em março deste ano o governo anunciou corte de 44% no orçamento federal destinado à Ciência, Tecnologia e Inovação. A redução de investimentos em uma área tão importante para o desenvolvimento do país preocupa especialistas, que caracterizam a ação como irresponsável e desprovida de senso de futuro. A medida compromete o incentivo à pesquisa e o funcionamento de centros e laboratórios. Em consequência, cientistas estão deixando o país em busca de condições de trabalho propícias, levando com eles importantes saberes para bem longe de nossos quintais.

O governo Temer deu indícios precoces que o incentivo à pesquisa, ciência e  tecnologia (C&T) não estava na lista de prioridades do plano não eleito nas urnas. Logo quando tomou posse, em maio de 2016, o presidente anunciou a junção do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações com o Ministério das Comunicações. A ação foi bastante criticada na época por resultar em menos atenção para ambos. No mesmo contexto, a Pec do Teto dos gastos públicos aprovada, que congela por 20 anos investimentos, fragiliza ainda mais a situação, inviabilizando futuros projetos para a inovação nacional.

O diretor do Sindicato dos Engenheiros do Estado do Rio de Janeiro (Senge - RJ), Agamenon Oliveira, define como alarmante o contexto político e econômico atual. “É uma questão da crise do Estado nacional”, enfatiza. Para ele, uma série de medidas que caminham para o desmonte de nossa soberania estão sendo tomadas. Em pouco mais de um ano, o governo Temer já representa uma série de retrocessos. Pensando especificamente na C&T, o governo levou o país para mais de uma década no passado. 

O orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações já estava em um patamar baixo antes do corte recente. O Projeto de Lei Orçamentária anunciado no fim de 2016 prometia para a área investimento de R$ 5,2 bilhões (praticamente metade do que foi investido em 2014). Em 2017 este número foi cortado em R$ 2,2 bilhões, ou seja, em 44% do orçamento previsto para o ano.

Foi no contexto dos cortes em C&T que a pesquisadora Suzana Herculano-Houzel optou por deixar o país. O desmonte da produção científica e tecnológica está levando muitos pesquisadores a, assim como ela, buscarem alternativas no exterior, com o intuito de garantir a continuidade de suas pesquisas. Suzana é mundialmente conhecida por seu trabalho de pesquisa em neurociência e há alguns meses, impossibilitada de dar continuidade à pesquisa no país, migrou da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para a Vanderblit University, nos Estados Unidos. O caso de Suzana ganhou repercussão e intensificou a discussão sobre o fenômeno chamado de Fuga de Cérebros, que se fortalece no atual cenário. 

 

CORTES DRÁSTICOS

O orçamento em queda do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações nos últimos anos. Despesas MCTIC (bilhões de reais). 

Vermelho: Proposto.

Verde: Gasto.

 Uma ‘fuga de cérebros’ ameaça o Brasil e a soberania nacional

 

Fonte: Reportagem Nature, principal revista de conhecimento científico do mundo, publicada em abril de 2017. 

http://www.sbq.org.br/noticia/brazilian-scientists-reeling-federal-funds-slashed-nearly-half

 

Ciência, tecnologia e desenvolvimento nacional

A saída de cientistas e pesquisadores do país representa uma enorme ameaça à produção nacional do conhecimento. Em entrevista à Fisenge a Presidente de Honra da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Naider, afirmou que conhecimento significa hoje desenvolvimento econômico e social. “Significa produção de riqueza, ou seja, lucro para as empresas, salário para os trabalhadores e impostos para o governo; significa garantir a qualidade de vida das pessoas”. Para Helena, a principal fonte de sustentação de uma economia está no desenvolvimento e aplicação do conhecimento científico e tecnológico. “O mundo vive hoje a economia do conhecimento”, completa.

De acordo com o ex-Ministro de C&T, Clélio Campolina, ciência e tecnologia são fundamentais para um projeto de desenvolvimento nacional. Para ele é necessário não apenas apoiar e incentivar a produção científica, mas também “fazer a ponte da produção científica com as políticas públicas e sistema produtivo”. Agamenon Oliveira aponta que a ciência está diretamente ligada com a própria tecnologia. Isso quer dizer que as tecnologias são, em grande parte, aplicações de conhecimento científico. “O próprio desenvolvimento da ciência fertiliza o desenvolvimento tecnológico”, explica.   

Campolina acredita que a engenharia possui um papel central na construção de um projeto de desenvolvimento. De acordo com ele, “toda a base material depende do avanço da C&T, e a engenharia é a instância que operacionaliza concretamente todo esse avanço científico e tecnológico do ponto de vista produtivo”. 

Agamenon aponta os trabalhos realizados pela Petrobrás e importantes centros de pesquisa, como, por exemplo, o Instituto Luiz Alberto Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) da UFRJ. “Somos hoje liderança na área de petróleo e gás e isso é um reflexo de investimento em C&T”, afirma. Os trabalhos realizados pela Petrobrás e institutos de pesquisa se tornaram referências mundiais e são, segundo o engenheiro, fundamentais para o desenvolvimento na área. O ex-ministro Campolina enfatiza que o Brasil mostrou competência científica e tecnológica em relação ao petróleo, que deveria ser uma prioridade social. 

De acordo com Helena, mesmo a geração de produtos primários exige, hoje, a participação intensa da ciência e da tecnologia. A professora cita como exemplo o crescimento da produção brasileira em alimentos, resultado do trabalho da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), juntamente com as faculdades de agronomia, zootecnia e veterinária. “Há trinta anos, importávamos alimentos; hoje, somos um dos maiores produtores e exportadores mundiais”, aponta. Ainda para a professora, o governo está cometendo o equívoco de considerar educação e ciência, tecnologia e inovação como despesas, e não como investimentos. Ao limitar bruscamente os investimentos em ciência, o governo joga o Brasil para o retrocesso econômico e social.

 

Desmonte das instituições de pesquisa

Desde que os cortes se intensificaram, a situação se alarma em universidades, laboratórios e centros de pesquisa espalhados pelo país. A crise na ciência pode ser percebida em nível nacional com redução do quadro de bolsas, liberação de recursos a conta gotas, sucateamento de laboratórios e até mesmo projetos já aprovados estão tendo seus orçamentos reduzidos. 

De acordo com Paulo Lyra, professor do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal do Pernambuco (UFPE), C&T não pode ter descontinuidade, pois isso “gera desmonte de equipe e impasses no planejamento, colocando em risco o estudo como um todo e representando enorme perdas para avanços científicos e tecnológicos do país”, aponta o professor. Rita Ferreira, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), também relata problemas com os cortes governamentais para a Educação Pública Superior na instituição.

O orçamento em queda do MCTIC ameaça o trabalho de importantes laboratórios que atuam nas mais diversas áreas. O Brasil possui hoje importantes centros de pesquisa, como o Centro Nacional de Biologia Estrutural e Bioimagem, a Fundação Oswaldo Cruz de Recife, que vem realizando necessárias pesquisas sobre o Zika Vírus, o Centro de Pesquisa da Petrobrás (CENPES) e o Centro de Pesquisa de Energia Elétrica (CEPEL), dentre tantos outros.

O programa Ciências Sem Fronteiras teve seu fim anunciado em março de 2017, após cinco anos de atividades. De acordo com o portal oficial do programa, foram mais de 73 mil bolsas de graduação e 9 mil de doutorado concedidas. Neste mesmo contexto, a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) vive a maior crise de sua história. Desta forma, fica realmente complicado para o pesquisador fazer ciência no país. 

Quem se beneficia com o desmonte da produção científica e tecnológica?

A existência de um sistema dinâmico e robusto de geração de ciência, tecnologia e inovação é, para Helena Naider, um traço que caracteriza os países desenvolvidos, juntamente com um sistema educacional eficiente e universal. A professora enfatiza que as atuais medidas distanciam o Brasil desses países, que investem cada vez mais em C&T. Ela afirma, ainda, que a brusca limitação de investimentos afeta a dignidade dos pesquisadores: “seremos impedidos de trabalhar com um mínimo de condições e com certeza olhados com comiseração e pena pelos cientistas de todo o mundo”.

Helena menciona o caso da China, que, diante de uma crise econômica, optou pelo incentivo à C&T, entendendo ser esta uma plataforma importante para alavancar a economia do país. De acordo com Agamenon, empresas chinesas estão bastante interessadas na compra de ativos brasileiros, especialmente nos setores de energia, transporte e agronegócio. “As empresas chinesas têm um interesse estratégico na região [norte/nordeste], buscando montar um enclave que ameaça a soberania nacional”. 

A crise que o Brasil vive gera, por fim, oportunidade para outros países. O desmonte da produção científica e tecnológica compromete a autonomia nacional. Significa entregar nossos recursos ao capital estrangeiro para que façam por nós algo que temos condições de fazer. “O comportamento do mercado internacional é extremamente capitalista e quem sai perdendo é o consumidor, já que as empresas chegam visando lucro e implementando o que lhes for conveniente”, aponta Agamenon.

Campolina afirma que a situação é conturbada e que é difícil prever os acontecimentos. Para o ex-ministro, entretanto, é justamente na crise que temos que construir a busca de saídas e alternativas. “Conseguiremos resultado se mobilizarmos a sociedade. Não adianta uma reflexão acadêmica, teórica, de forma isolada. Ela tem que ganhar a sociedade e as ruas, em termos de mobilização, para que se viabilize”, enfatiza.

Neste contexto surge a campanha Conhecimento Sem Cortes, mobilizada por cientistas, estudantes, professores, pesquisadores e técnicos. Lançado em junho deste ano, o principal objetivo do movimento é denunciar o desmonte das instituições de pesquisa por consequência das reduções do orçamento e buscar o apoio da sociedade para reverter o cenário.

A campanha é uma realização da Associação dos Docentes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (AdUFRJ), o Sindicato dos Institutos Federais do Rio de Janeiro (Sintifrj), a Associação dos Professores da Universidade Federal de Minas Gerais (Apubh) e a Associação dos Docentes da Universidade de Brasília (ADUnB), em parceria com várias organizações, dentre elas a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Apesar das pistas e indícios, a ciência não é um campo certo em termos de resultado, não é possível prever o resultado de um estudo. Ciência só se faz com muita pesquisa e dedicação, e não se faz pesquisa sem financiamento. “Às vezes se estuda algo por vinte ou trinta anos e não se chega a resultado nenhum. O que é, por si, um grande resultado”, explica Agamenon. 

Para chegar às respostas, é necessário focar nas perguntas. A qualidade dos investimentos vai determinar as descobertas. As perguntas precisam ser boas e estimuladas para que encontremos respostas precisas. 

 

Uma ‘fuga de cérebros’ ameaça o Brasil e a soberania nacional

Crédito foto: Fotos Públicas

 

 

 

Publicado em Notícias

O movimento Escola Sem Partido (ESP) ganha força no Brasil propondo polêmicos princípios que devem orientar a educação nacional. De acordo com especialistas, o projeto ataca diretamente o ofício do professor, ameaçando o caráter educacional da escola. Para entender melhor sobre os perigos da proposta, a Fisenge conversou com o coordenador do Movimento Educação Democrática e professor da Universidade Federal Fluminense (UFF), Fernando Araújo Penna.

Por Laura Ralola, para a revista da Fisenge

Nos últimos anos, o movimento ganhou força política, crescendo de forma expressiva e tornando-se um projeto de lei de alcance nacional. O que é, como surge e o que diz o movimento Escola Sem Partido?

O movimento Escola Sem Partido surgiu por iniciativa de um advogado chamado Miguel Nagib, em meados de 2003, quando ele discordou de uma comparação feita pelo professor de História de sua filha em sala de aula. A reação dele foi produzir uma carta em repúdio à fala do educador e distribuir na escola, entre alunos, familiares e direção.  A carta, entretanto, não teve a reação que ele imaginava, já que todos apoiaram o professor. Neste momento, ele identificou aquilo que depois veio a chamar de “Síndrome do Estocolmo”: para ele, os professores seriam “sequestradores intelectuais”, ou seja, o professor de sua filha foi defendido, porque os alunos estariam sofrendo de “Síndrome do Estocolmo”. Nagib, então, criou um movimento para lidar com o “problema”, surgindo, assim, o Escola Sem Partido (ESP). Ao longo da primeira década não foi um movimento muito relevante, mas começou a ganhar pertinência e força especialmente em 2014, quando o deputado estadual do Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro (PSC), pediu para que Nagib formulasse um Projeto de Lei (PL) capturando as ideias do ESP. A sugestão do próprio Flávio era que o projeto se chamasse Programa Escola Sem Partido. O primeiro PL foi apresentado pelo deputado estadual em 2014 e, logo em seguida, pelo vereador da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (PSC). O advogado Miguel Nagib fez um anteprojeto modelo do texto que redigiu para a família Bolsonaro e compartilhou no site do movimento ESP. Dentro do atual contexto que estamos vivendo, que muitos entendem como uma onda conservadora, o projeto de Nagib já foi apresentado na Câmara e no Senado, em mais de 10 estados e no Distrito Federal e em muitos municípios. Os PLs espalhados pelo país pretendem estabelecer princípios que devem orientar a educação nacional e que ainda propõem a fixação de cartazes nas salas de aula com intuito de conscientizar os alunos de seus direitos.

Professores, alunos e membros de movimentos sociais vêm questionando o movimento. Como o ESP pode atrapalhar o ofício do professor? 

Segundo defensores do programa, o ESP tem como objetivo garantir elementos que já estão em nossa legislação. Agora, a meu ver, é uma argumentação infundada. Como mencionei, o projeto foi apresentado em muitos estados. O único no qual foi aprovado, entretanto, foi no estado de Alagoas. Lá se tornou a Lei 7.800/2016 e, logo quando aprovada, foram apresentadas Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIN).  Essas ações ainda não foram julgadas até o fim, mas temos documentos que apontam para a inconstitucionalidade da Lei. O primeiro foi um documento produzido pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, depois a Procuradoria Geral da República produziu uma argumentação, vale destacar, muito bem fundamentada, tanto do ponto de vista legal quanto pedagógico. Outra ação foi uma medida cautelar do Supremo Tribunal Federal (STF) que suspendeu o efeito da Lei de Alagoas. Essas três instâncias a consideram inconstitucional, o que aponta que não é, simplesmente, algo já previsto na Constituição, como afirmam os defensores do ESP. Existe algo a mais. Um dos primeiros artigos do anteprojeto modelo, que varia de PL para PL, pretende estabelecer os princípios que devem orientar a Educação Nacional, mas não menciona que os princípios já são estabelecidos na Constituição Federal, no artigo 206, e na Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Se compararmos o projeto ESP e o que está na legislação percebemos que, se no projeto diz que um dos princípios deve ser o “pluralismo de ideias no ambiente acadêmico”, na Constituição está “pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas”. Eles colocam que um dos princípios deve ser “a liberdade de aprender do aluno”. A nossa Constituição fala da “liberdade de aprender, ensinar, pesquisar, divulgar o conhecimento, a arte e o saber”. Eles excluíram a “liberdade de ensinar”, assim como o “pluralismo de concepções pedagógicas”. Ou seja, deixaram de fora tudo aquilo que é vinculado à figura do professor. O ESP é um ataque direto à docência.

Quais são os maiores perigos deste movimento?

O projeto propõe como princípio da educação nacional algo que é mais ou menos assim: “é direito dos pais, e quando for o caso tutores, que seus filhos recebam educação moral e religiosa de acordo com as suas crenças”. Eles tiraram isso da Convenção Americana sobre Direitos Humanos, do artigo 12, inciso 4º, que visa proteger as famílias no espaço privado contra intervenção indevida do Estado. Entretanto, eles esquecem de mencionar que existe um protocolo adicional à Convenção Americana de Direitos Humanos, o protocolo de São Salvador. Esse protocolo tem um artigo específico sobre o direito à educação e nele está dito explicitamente que a escola deve educar com base na democracia, no combate às formas de desigualdade, etc. Os defensores do ESP insistem que só quem educa é a família, que a escola deve apenas instruir. Isto seria, na linguagem deles, “transmitir conhecimento neutro sem mobilizar valores” e sem falar da realidade dos alunos, o que seria um prejuízo enorme para a escola. Eu sempre tenho dito que o ESP é um projeto que remove da escola seu caráter educacional. Como se isso fosse possível, como se os professores pudessem não falar da realidade no qual os alunos estão inseridos. Ao contrário, toda a discussão pedagógica insiste que dialogar com a realidade é fundamental para tornar o ensino de qualquer disciplina significativo para os alunos. É este o prejuízo principal do projeto, tentar tirar a dimensão educacional da escola. O artigo 3º do PL 267/2015, da Câmara dos Deputados, diz o seguinte: “estão vedadas em sala de aula as práticas de doutrinação política-ideológica” - que eles não definem em momento nenhum, sendo este um dos elementos de inconstitucionalidade. Logo em seguida dizem “bem como a realização de atividades que possam entrar em contradição com as crenças e valores morais e religiosos da família”. Por exemplo, o professor de Física vai falar sobre a terra ser redonda, o aluno vem e diz que a crença familiar dele afirma que a terra é plana. O professor vai dar aula de teoria da evolução e aí o aluno acredita no criacionismo. Um professor de História, como já aconteceu em São Paulo, vai falar sobre o nazismo e o pai do aluno pede para ele citar os aspectos positivos do nazismo. Percebe? O Programa ESP coloca em risco especialmente a área das Ciências Humanas, que lida não só com um passado distante, como também com um passado recente, envolvendo questões religiosas e culturais, o que leva a esse conflito com algumas crenças particulares.

Por que é fundamental a discussão da diversidade sexual e de gênero nas escolas?

O que deve fazer um professor quando vê caso de machismo, homofobia ou transfobia em sala de aula? Não só impedir que isso se repita, como também explicar que na sociedade atual esse tipo de comportamento não é aceito, porque as relações mudaram ao longo do tempo. A escola tem um papel fundamental nesse processo. O ESP cresce muito a partir de 2014, quando vira PL. O projeto da Câmara, de 2015, não traz a proibição da discussão de gênero, mas o de 2016, que é do Senado, traz. O que aconteceu? Ao longo dos últimos anos a temática de gênero se tornou alvo de movimentos conservadores, principalmente de cunho religioso. Esses movimentos usam o termo “ideologia de gênero” para desqualificar a discussão nas escolas. Eles afirmam que tal discussão seria uma tentativa de “erotizar a juventude, de transformar os jovens em gays e lésbicas, em suma, destruir a família tradicional”. Discutir gênero em sala de aula não é isso de maneira alguma. A meu ver, a principal função dessa discussão é combater a desigualdade de gênero. Eu tenho percebido um uso político do pânico moral, ou seja, usa-se a ideia da “ideologia de gênero” como tentativa de destruir a família como uma maneira de gerar pânico na sociedade, especialmente entre aqueles que não conhecem o cotidiano escolar. Usam esse pânico para conseguir capital político. O ESP, então, entra nessa onda. Inicialmente não tinha nenhuma proibição específica da discussão de gênero, isso foi incorporado como uma forma de dar solução para a questão, ganhando mais espaço político. Assim, o ESP se torna também uma pauta para esses setores conservadores preocupados com a questão de gênero nas escolas. Eles dizem agora, por exemplo, que LGBTfobia não é tema da escola. Então, o que deve fazer um professor que presencia um caso de homofobia em sala de aula? Ele não pode pensar em uma intervenção pedagógica para lidar com isso?  Para tentar combater esta forma de desigualdade em sala? Segundo o ESP, não.

Durante a votação do impeachment da presidenta Dilma na Câmara em 2016, muitos deputados justificaram o voto “sim” pelo “fim da doutrinação nas escolas”.  A que você atribui isso?

Eu vejo como uma reação aos avanços, mesmo que não os ideais, que tivemos no governo do PT com relação à questão de gênero e diversidade cultural. Por exemplo, durante o governo Lula foram criadas Leis que tornaram obrigatório o ensino de Arte e Cultura Afrobrasileira e Indígena. Os defensores do ESP acusam materiais didáticos de fazerem “doutrinação religiosa de candomblé e umbanda” apenas por veicular, por exemplo, uma imagem de Xangô.  Ao longo desses anos tivemos a produção de materiais didáticos de combate à LGBTfobia e toda a desqualificação desse material, que foi a falácia do “kit gay” em meados de 2011. Os pontos atacados pelo ESP são justamente os pontos nos quais tivemos alguns avanços, como a questão da cultura afrobrasileira e indígena e a questão de gênero. Eu vejo muito como reações aos avanços que nós conseguimos ter no campo educacional, especialmente de combate às formas de desigualdade na educação. 

Por fim, a atual conjuntura política fortalece o movimento? Como resistir ao ESP?

O que acontece com a entrada do governo Temer é uma perda do caráter democrático de toda a discussão e elaboração das políticas públicas. A Reforma do Ensino Médio implementada por medida provisória é um caso notório. Todo o processo foi muito rápido, sem consulta aos educadores e aos pesquisadores do campo da educação. Sem dúvidas, é um momento que pode ser positivo para um projeto antidemocrático como o ESP. A terceira versão da Base Nacional Comum Curricular, por exemplo, divulgada recentemente, não tem a discussão de gênero. A discussão foi excluída por pressão das bancadas conservadoras, as mesmas que tentam aprovar projetos como o ESP. Fundamos recentemente uma associação chamada Movimento Educação Democrática. Durante algum tempo fomos só contra: contra a reforma do ensino médio; contra a terceira versão da Base; contra o ESP. Refletimos que seria interessante pensar um movimento mais propositivo, com o qual pudéssemos nos opor a tudo isso, entendendo que o ESP é uma ameaça à escola que queremos, mas, sobretudo, pensar juntos, de maneira democrática, o que seria essa educação que queremos. A associação foi fundada recentemente, no dia 29 de junho de 2017, e pretendemos articular pessoas do Brasil inteiro, para que consigamos proteger esses professores. Para que os professores saibam quais são seus direitos e o que podem ou não fazer em sala de aula. É um espaço também de acolhimento e de compartilhamento de histórias de maneira que esses professores não sejam facilmente intimidados.

Foto: Adriana Medeiros
Entrevista: Laura Ralola para Fisenge

“O Escola Sem Partido é um projeto que remove o caráter educacional da escola”, afirma professor em entrevista à revista da Fisenge

 

Publicado em Notícias

Foi lançada, no dia 6/9, a revista “Especial Consenge”, em Curitiba (PR). Nesta edição, temas como fugas de cérebros, mulheres na engenharia e Escola Sem Partido são debatidos nas reportagens. Também há um especial sobre os encontros estaduais preparatórios, realizados pelos sindicatos, para o 11º Congresso Nacional de Sindicatos de Engenheiros.  Os textos são de: Camila Marins e Laura Ralola e a diagramação de Evlen Lauer. 

 

Confira: https://goo.gl/KZNv5z

Fuga de cérebros, mulheres na engenharia e Escola Sem Partido são temas da revista da Fisenge

Publicado em Notícias

O objetivo da campanha “Energia não é mercadoria” é mobilizar setores da sociedade envolvidos com a defesa da soberania energética brasileira, nos âmbitos nacional, estadual e municipal. 

Rede Parlamentar em Defesa da Soberania Energética e Nacional é lançada, na última terça-feira (12/9), no auditório Nereu Ramos na Câmara Federal. Na ocasião, deputados, senadores, movimentos sociais e movimentos sindicais se reuniram para potencializar a campanha “Energia não é mercadoria”, mais uma agenda de luta em defesa do setor elétrico estatal e contra a iniciativa do governo de privatização da Eletrobras. O diretor do Senge-PE e representante da Fisenge Clayton Paiva esteve presente.  O objetivo da campanha é mobilizar em torno da pauta, além da categoria do setor elétrico, os demais envolvidos na luta pela defesa da soberania nacional, no Congresso e nas casas legislativas estaduais e municipais, nos sindicatos e nas demais entidades. 

Com uma agenda intensa para os próximos dias, a Rede irá articular a aprovação de moções de repúdio às privatizações, audiências públicas e fortalecer as discussões. “Precisamos intensificar o debate para conscientizar a sociedade do que está prestes a acontecer, a luta contra as privatizações é a luta em defesa do patrimônio nacional”, afirma Clayton Paiva.  Durante o evento, os presentes aprovaram a realização de um abaixo-assinado contra a entrega da Eletrobras ao capital financeiro, para ser entregue ao Congresso até o mês de dezembro.  “A entrega da Eletrobras é tão ofensiva, que começam a surgir, inclusive, parlamentares da base do governo, principalmente, dos estados de Minas Gerais e Pernambuco”, enfatiza o diretor do Senge-PE. 

AGENDA DE LUTAS

13/9 

- Entrega do Projeto de Lei do Deputado Moisés Diniz (PCdoB/AC) contra a privatização das empresas distribuidoras do AC, AM, AL, PI, RO e RR

- Audiência Pública “O Desmonte do Estado Brasileiro” e ato em defesa das estatais, no auditório Nereu Ramos, na Câmara Federal

-  Reunião de parlamentares, entidades de empresas estatais, frentes mista em defesa da soberania nacional e defesa do setor elétrico brasileiro, na Câmara dos Deputados

14/9

- Audiência pública na Câmara dos Vereadores de Petrolina-PE

- Audiência Pública na Assembleia Legislativa do Pará

15/9

- Ato político em defesa da Eletronorte, em Belém-PA

- Ato político em defesa da Chesf, com a presença dos governadores do Nordeste, em Penedo-AL

20/9 

- Café da manhã com a bancada de Minas Gerais e entidades para barrar o leilão da CEMIG, na Câmara dos Deputados

21/9

- Seminário no Clube de Engenharia, no Rio de Janeiro

- Audiência pública na Assembleia Legislativa da Paraíba em defesa da Eletrobras e Chesf, em João Pessoa-PB

22/9

- Manifestação contra o leilão da hidrelétrica Porto Primavera, em Porto Primavera-SP

25/09

- Audiência pública em defesa de Furnas, em Passos-MG

26/9

- Audiência pública “O novo modelo energético e seus impactos nas regiões e sobre os trabalhadores/as”, na Câmara dos Deputados

27/9

- Audiência com o ministro de Minas e Energia para discutir o modelo energético do governo Temer

28/9 

- Audiência pública em defesa da CEPISA e CHESF na Assembleia Legislativa do Piauí, em Teresina-PI

3/10

- Ato Nacional contra as privatizações, greve nacional do setor energético

- Manifestação nas sedes da Eletrobras e Petrobras, no Rio de Janeiro

4/10

- Audiência pública na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, em Florianópolis-SC

6/10

- Manifestação em defesa da Chesf, em Petrolina-PE

Fonte: Marine Moraes/Senge-PE

 

Parlamentares e movimentos sociais lançam Rede Parlamentar em Defesa da Soberania Energia e Nacional

 

Publicado em Notícias

As medidas de ajuste na economia anunciadas pelo governo, que incluem a venda de estatais e ativos públicos, estão sendo questionadas por sindicatos e entidades de classe em uma campanha nacional sobre o assunto. Com o slogan “Eu não vendo o meu país”, sindicalistas pretendem mobilizar a população em defesa das empresas anunciadas como candidatas à venda, incluindo Eletrobras e Casa da Moeda. A campanha foi apresentada nesta segunda-feira (11), em entrevista coletiva na sede do Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro (Sindipetro). Participaram representantes de dezenas de sindicatos e entidades de classe.

Para a diretora do Sindipetro Natália Lopes, o objetivo é unificar as forças populares e questionar o processo de venda de ativos públicos. “A campanha visa unificar o discurso entre todas as estatais e os serviços públicos que poderão ser vendidos em nosso país”, disse Natália. Também contra a venda das empresas, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Casa da Moeda, Aluizio Júnior, destacou que pouquíssimos países abrem mão da fabricação de seu meio circulante. “No G20 [grupo das maiores economias do mundo, do qual o Brasil faz parte], apenas dois países não produzem o próprio dinheiro. As cédulas em papel são especialmente importantes para a população mais pobre, que não tem acesso a contas em banco nem cartões de crédito.”

O vice-presidente da Associação dos Funcionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), economista Arthur Kobliz, defendeu a manutenção do investimento público como motor principal da economia. “Os países que mais crescem no mundo, incluindo os do leste asiático, usaram pesadamente seus bancos de desenvolvimento”, ressaltou Kobliz. Para o diretor da Associação dos Funcionários de Furnas, Felipe Araújo, uma estatal não visa somente ao lucro financeiro, mas também ao ganho social. Segundo Araújo, se houver venda do Sistema Eletrobrás, haverá aumento de tarifas aos consumidores finais, incluindo comércio e indústria, que repassarão a diferença aos preços.

Com 47 usinas hidrelétricas, 114 termelétricas, duas termonucleares, 69 usinas eólicas e uma solar, a Eletrobras é responsável por um terço do total da geração de energia no país. Também é a maior empresa de transmissão de energia, com quase metade das linhas de transmissão do Brasil.A campanha será apresentada no Congresso Nacional vna próxima quarta-feira (11), em um ato no Auditório Nereu Ramos, no Anexo 2 da Câmara dos Deputados.

Governo

Os motivos alegados pelo governo federal para anunciar a disposição de vender parte de ativos e empresas públicas são reduzir o déficit público e dar mais agilidade às empresas, favorecendo, em última instância o consumidor. Com a meta de melhorar o caixa da União e estimular a economia, o governo decidiu colocar à disposição da iniciativa privada a administração de 14 aeroportos, 11 lotes de linhas de transmissão e 15 terminais portuários, além de parte da Eletrobrás. Com a medida, o governo espera arrecadar cerca de R$ 44 bilhões ao longo dos anos de vigência dos contratos. O Conselho do Programa de Parcerias de Investimento (PPI) decidiu incluir no programa de desestatização rodovias, a Casa da Moeda, a Lotex e a Companhia Docas do Espírito. Ao todo, são 57 projetos de venda de empresas e parcerias público privada.

 

Vladimir Platonow – Repórter da Agência Brasil/EBC

Edição: Nádia Franco

Sindicatos e entidades de classe lançam campanha contra venda de estatais

Publicado em Notícias

No marco dos 100 anos da primeira greve geral no Brasil e da revolução que, pela primeira vez levou a classe trabalhadora ao poder, na Rússia, nós, estudantes de engenharia reunidos no 11º Congresso da Fisenge manifestamos a necessidade urgente da luta por um novo projeto de país, que reverta a hegemonia do capital financeiro internacional, em favor de um Brasil mais justo, soberano e desenvolvido social e economicamente. Por esse motivo, estudantes de 12 Sindicatos de Engenheiros vinculados à Fisenge, reuniram-se para deliberar propostas com a visão da construção de um novo momento na conjuntura do Movimento Senge/Sindicato Jovem e Senge/Sindicato Estudante, que explicitam toda resignação ao atual momento político do país. A consolidação do golpe, a obscuridade de ações, as aprovações de emendas impopulares, o sucateamento da educação e a Reforma da Previdência juntamente com a destruição da CLT são fatores que tornam imprescindíveis o posicionamento efetivo dos acadêmicos de engenharia, agronomia e geociências, em favor de uma formação sólida e multidisciplinar que contribua para tirar o país da dependência tecnológica e da onda pretensiosa de entrega das estatais brasileiras nas mãos do capital estrangeiro. Desta forma, entendemos que há a necessidade imediata do fortalecimento das organizações estudantis, contra a mercantilização da educação e por um ensino, pesquisa e extensão populares na Engenharia. Nessa perspectiva, cria-se o Coletivo Nacional dos Estudantes (CNE), que irá articular as lutas nos estados com a finalidade de elevar o nível da discussão, expandindo a problemática além dos limites das fronteiras estaduais.  A resistência não se dará regionalmente, mas em âmbito nacional.

Ampliar a relação entre o movimento estudantil e sindical, apresentar e dialogar com os estudantes o papel fundamental da organização e união por meio dos sindicatos, aproximar e contribuir com a formação política das lideranças estudantis, inserir-se em todos os espaços de debate, na academia e na sociedade. 

Os desafios são grandes e igualmente grande é o entusiasmo com o qual nos colocamos em favor desta pauta, no intento de reverberar a todos os estudantes de engenharia, agronomia e geociências o lema deste congresso: Resistir, em defesa da engenharia e da soberania nacional!  

II Fórum de Estudantes

Curitiba (PR), 09 de setembro de 2017

11º Congresso Nacional de Sindicatos de Engenheiros

 Confira a Carta dos Estudantes aprovada no 11º Consenge

 

Publicado em Notícias

No marco dos 100 anos da primeira Greve Geral no Brasil e da Revolução Russa, nós, engenheiras e engenheiros reunidos no 11º Congresso Nacional de Sindicatos de Engenheiros (Consenge), manifestamos a urgência de um projeto de país comprometido com a engenharia brasileira, a soberania nacional e a classe trabalhadora.

Fizemos o maior Congresso da história, com mais de 300 participantes, além da maior delegação de mulheres e de estudantes, frutos da construção do Coletivo de Mulheres da Fisenge e do Coletivo Nacional de Estudantes, em diversos estados.   

Com a consolidação do golpe ao mandato da presidenta Dilma Rousseff, a engenharia brasileira sofre um inaceitável processo de criminalização, com empresas nacionais fechadas, obras paralisadas e milhares de profissionais demitidos. Estas são consequências intoleráveis, frutos da crise política capitaneada pela Operação Lava Jato. Repudiamos a corrupção e exigimos a responsabilização de todas as pessoas envolvidas em desvios de conduta, sem a penalização das empresas nacionais.

A engenharia é o motor da economia de todo país, uma vez que amplia a capacidade produtiva e de investimentos. A desnacionalização da economia, em curso no Brasil, aprofunda o desmonte da engenharia brasileira, a subordinação ao capital estrangeiro, as desigualdades sociais e ameaça a soberania nacional. Repudiamos, ainda, a entrega do território brasileiro e também a privatização da Eletrobrás, dos Correios, da Casa da Moeda. Reivindicamos a defesa da Petrobras pública e estatal como elemento estratégico para o desenvolvimento social. É imperativo o investimento em ciência e tecnologia, impedindo a chamada “fuga de cérebros”. Um país sem ciência e sem tecnologia é um país sem soberania nacional. A engenharia brasileira possui acúmulo tecnológico para pensar, formular, construir, projetar e inovar soluções de melhoria de condições de vida para a população. 

As profundas transformações no mundo do trabalho, a chamada Revolução 4.0, impõem desafios para enfrentarmos o desemprego estrutural previsto internacionalmente. Para além do campo de benesses, é necessário disputar o controle e a distribuição das tecnologias.

Manifestamos como urgente a revogação da reforma trabalhista e da emenda constitucional 95, que determina um teto para os gastos públicos. Defendemos a redução da jornada de trabalho para 35 horas sem redução de salário e a manutenção da previdência social. Apoiamos uma reforma política popular, com financiamento público de campanha e fortalecimento dos partidos políticos.

A crise é mundial e não há solução fácil. Temos, todos e todas, grandes responsabilidades. E, com grandes responsabilidades, surgem tarefas. Temos a tarefa histórica de resistir e lutar em defesa da engenharia, da democracia e da soberania nacional.

 

Curitiba, 09 de setembro de 2017

11º Congresso Nacional de Sindicatos de Engenheiros

Em defesa da engenharia e da soberania nacional, 11º Consenge aprova Carta de Curitiba

Foto: Joka Madruga/Fisenge

Publicado em Notícias

A nova diretoria da Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) foi eleita na manhã de sábado (9/9), durante o 11º Congresso Nacional de Sindicatos de Engenheiros (Consenge), em Curitiba. O engenheiro Clovis Nascimento, vice-presidente do Senge-RJ, foi reeleito presidente da federação. Ele destacou a importância do movimento sindical no fortalecimento da resistência frente ao atual cenário político. “A Fisenge acumula uma história de luta e de resistência. Assumimos essa gestão reforçando o compromisso em defesa da engenharia e da democracia”, afirmou Clovis. O presidente da Fisenge destacou, ainda, a defesa da soberania nacional. “Vemos este governo entregando os nossos recursos naturais, o território brasileiro, as empresas públicas e querendo privatizar o setor elétrico. Isso é perda de soberania nacional e não permitiremos. A nossa trincheira é a da resistência”, conclui.

O vice-presidente eleito da Fisenge e presidente do Senge-BA, Ubiratan Félix avalia que, em curto prazo, o cenário é sombrio, contudo, em médio prazo, a História conspira a nosso favor. “Se olharmos para história do Brasil, veremos que em todos os momentos de crise houve mudanças para avançar. Após a guerra do Paraguai, foi criado o movimento republicano e abolicionista, que teve consequências em 1888 e 1889. A crise de 1954 levou à criação da Petrobrás e da Eletrobrás. Crises criam também oportunidades de mudar o patamar da política e da sociedade. Isso não quer dizer que devemos ficar parados. Ou nos organizamos e criamos uma pauta de mudanças, ou as coisas vão ficar como estão”, afirma. Giucélia Figueiredo, diretora do Senge-PB, foi reeleita para federação. Segundo a engenheira, o 11º Consenge reafirmou a história e a memória de luta da federação.“

LUTA CONTRA A PRIVATIZAÇÃO

O combate à privatização foi uma das propostas reforçadas pelo Consenge. Gunter Angelkorte, diretor do Senge-RJ e reeleito como diretor suplente da Fisenge, destaca a importância de combater a privatização do setor elétrico brasileiro. “Isso não é aceitável e não pode se concretizar de maneira alguma, sob o risco de colocarmos toda a sociedade brasileira no século XIX. A energia elétrica é algo primordial para a vida humana. Sem ela, o ser humano não consegue viver em sua plenitude”, afirma Gunter lembrando que o próprio governo federal admite o aumento das tarifas das contas de luz.“Nós já estamos reagindo, criando focos de resistência na sociedade”, afirma o engenheiro. A Fisenge também participa da coordenação do Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE). 

RENOVAÇÃO

O 11º Consenge entra para a história da Federação como o congresso com maior participação de mulheres. “Há uma renovação da diretoria e também dos participantes”, avalia Elaine Santana, diretora do Senge-SE, eleita como diretora adjunta. Ela destaca a expressiva participação de 80 mulheres e 39 estudantes no encontro.Simone Baía, diretora do Senge-ES, foi reeleita diretora da mulher. Ela avalia que o aumento da participação de engenheiras é fruto do trabalho e da luta de mulheres de muitas décadas. E conclui que “houve um avanço não só numérico, mas em termos de participação efetiva com um debate qualificado, na resistência contra os avanços do capital, contra as privatizações, contra o desmonte das empresas públicas”. Maria Virginia Brandão, diretora do Senge-RJ foi eleita como diretora adjunta da mulher. Ela destaca a importância da presença de mulheres na diretoria da Federação. “O movimento das mulheres dentro dos sindicatos de engenheiros e da Federação está consolidado”, afirmou Virginia. Ela avalia, entretanto, que é necessário avançar na mobilização, a fim de aumentar o número de participação de mulheres.

COMUNICAÇÃO SINDICAL

O presidente da Fisenge Clovis Nascimento agradeceu aos trabalhadores da comunicação sindical que atuaram na cobertura do Consenge. O diretor do Senge-PE e diretor financeiro eleito da Federação, Roberto Freire, destacou a importância de divulgar as ações sindicais. “Tudo o que nós fazemos precisa ter visibilidade. Nossa equipe de comunicação, coordenada pela jornalista Camila Marins, conseguiu fazer isso”, afirmou Freire.

Relatório de trabalho da Assessoria de Comunicação no 11º Consenge

A equipe de Assessoria de Comunicação trabalhou de forma colaborativa durante os quatro dias do 11º Consenge, com os seguintes resultados:

2 mil cliques fotográficos;

17 matérias para o site da Fisenge;

3 boletins via whatsapp e 3 boletins impresso;

TV Fisenge: 20 matérias e entrevistas em vídeo e transmissão ao vivo das palestras e plenária final;

Facebook: os vídeos alcançaram mais de 60 mil pessoas, com cerca de 8 mil visualizações e 300 compartilhamentos. No total, a página da Fisenge teve durante a semana um aumento de 461% no seu alcance, 343% de envolvimento e de 900% no número de novas curtidas.

Equipe: Camila Marins (Fisenge), Caroline Diamante (Senge-MG), Carolina Guimarães (Senge-BA), Ednubia Ghisi (Senge-PR), Joka Madruga (Fisenge), Katarine Flor (Senge-RJ), Marine Moraes (Senge-PE), André Vieira e Sebastian Soto (TV Memória Latina).

 

DIRETORIA DA FISENGE GESTÃO 2017-2020

DIRETORIA EXECUTIVA

 

 

Presidente

CLOVIS FRANCISCO DO NASCIMENTO FILHO (SENGE-RJ)

 
Vice-Presidente

UBIRATAN FÉLIX PEREIRA DA SILVA (SENGE-BA)

 

Diretor Financeiro

ROBERTO LUIZ DE CARVALHO FREIRE (SENGE-PE) 

 

Diretora Financeira-Adjunta

ELAINE SANTANA SILVA (SENGE-SE)

 

Secretário-Geral

VALTER FANINI (SENGE-PR) 

 

Diretora da Mulher

SIMONE BAÍA PEREIRA GOMES (SENGE-ES)

 

Diretor de Negociação Coletiva

FERNANDO ELIAS VIEIRA JOGAIB (SENGE-VR) 

 

Diretor Executivo

RAUL OTÁVIO DA SILVA PEREIRA (SENGE-MG) 

 

Diretora Executiva

GIUCELIA ARAÚJO DE FIGUEIREDO (SENGE-PB)

 

Diretor Executivo

EDUARDO MEDEIROS PIAZERA (SEAGRO-SC) 

 

DIRETORES SUPLENTES 

 

Diretor Executivo Suplente 

JOSÉ EZEQUIEL RAMOS (SENGE-RO)

 

Diretor Executivo Suplente 

GUNTER DE MOURA ANGELKORTE (SENGE-RJ) 

 

Diretor Executivo Suplente 

CÍCERO MARTINS JUNIOR (SENGE-PR)

 

Diretor Executivo Suplente 

FERNANDO RIBEIRO QUEIROZ (SENGE-MG) 

 

Diretor Executivo Suplente 

JORGE DOTTI CESA (SEAGRO-SC) 

 

Diretor Executivo Suplente 

CARLOS ANTÔNIO DE MAGALHÃES (SENGE-SE) 

 

Diretor Executivo Suplente 

MANOEL BARRETO NETO (SENGE-BA) 

 

Diretora Executiva Suplente 

MARIA VIRGINIA MARTINS BRANDÃO (SENGE-RJ) 

 

CONSELHO FISCAL

 

Diretor do Conselho Fiscal

ADELAR CASTIGLIONI CAZAROTO (SENGE-ES) 

 

Diretor do Conselheiro Fiscal

LEANDRO JOSÉ GRASSMANN (SENGE-PR) 

 

Diretor do Conselho Fiscal

ALIRIO FERREIRA MENDES JÚNIOR

 

 

CONSELHO FISCAL - SUPLENTES 

 

Diretor Suplente do Conselho Fiscal

GERALDO SENA NETO (SENGE-RO)

 

Diretor Suplente do Conselho Fiscal

FERNANDO FREITAS (SENGE-PE)

 

Diretora Suplente do Conselho Fiscal

SILVANA PALMEIRA (SENGE-BA)

Nova diretoria da Fisenge é eleita durante o 11º Consenge

 

Publicado em Notícias

Engenheiros e engenheiras delegados do 11º Congresso Nacional de Sindicatos de Engenheiros, Consenge, em Curitiba-PR, aprovaram diretrizes que vão orientar a atuação da Fisenge e seus sindicatos para os próximos três anos. Dividido em dois blocos, com os temas principais “Proteção social e do trabalho” e “O desenvolvimento e a Soberania Nacional”, as propostas aprovadas em plenária são resultado dos oito grupos de trabalho que aconteceram durante os dias 7 e 8 de setembro, durante o Consenge.  Os temas abordados foram: organização e formação sindical; resistência social e sindical; o ensino da engenharia; transformações do mundo do trabalho; fortalecimento do estado brasileiro; políticas públicas com visão soberana de estado, o papel da engenharia para o desenvolvimento sustentável e recursos naturais e serviços públicos a favor da soberania nacional.

Fortalecer a formação política e sindical dos trabalhadores, diante da realidade atual que permeia as relações de trabalho, esteve entre as propostas aprovadas dentro do tema “Proteção social e do trabalho”. Como também, promover a comunicação estruturada para as diversas mídias e unificada entre os estados, estreitar laços com movimentos sociais, entidades de classe e grupos da sociedade organizada, aproximar o movimento sindical da comunidade e das universidades.

Ensino à distância

O debate a respeito dos cursos de graduação na área da engenharia e agronomia ministrados por Educação à Distância (EAD) foi caloroso. A proposta é ser contra a aprovação de curso predominantemente EAD. “O nosso entendimento é de que tem que ter uma limitação de 20% no máximo, no uso dessa ferramenta, que é muito importante, mas que não pode ser a base do ensino da graduação nas áreas de engenharia e agronomia”, defende o diretor da Fisenge e do Seagro-SC, Jorge Dotti.

Setor Elétrico

Em “O desenvolvimento e a Soberania Nacional”, foi o debate em defesa do setor elétrico que orientou parte das propostas. Os delegados e as delegadas aprovaram a defesa intransigente para que não seja vendido o sistema Eletrobras. “A questão da privatização do setor elétrico não se restringe apenas a uma questão ideológica de ser contra ou a favor a uma determinada situação imposta pelo governo. Estamos falando da vida, a energia elétrica é fundamental ao ser humano e é essencial compreender que não é mercadoria. Não podemos considerar a energia elétrica como uma commoditie, para variar seu valor de acordo com o interesse do mercado”, afirma Gunter Angelkorte, diretor do Senge-RJ. Outras propostas aprovadas foram a defesa da Petrobrás e da engenharia nacional, a promoção e incentivo à pesquisa como fator de soberania, a luta contra a terceirização e as reformas previdenciária e trabalhista, com o encaminhamento de referendo sobre a reforma trabalhista e plebiscito sobre a reforma previdenciária.

 

Texto: Marine Moraes

Edição: Camila Marins e Ednubia Ghisi

Foto: Joka Madruga

Delegados do 11º Consenge aprovam diretrizes da Fisenge para os próximos três anos

Publicado em Notícias
Página 1 de 9