Quinta, 20 Junho 2013 00:00

Valério Ribom morre aos 67 anos

Reconhecido por sua ética e dedicação à Engenharia e Agronomia, Ribon foi presidente do Senge-ES

Faleceu no último 8 de maio o Engenheiro Agrônomo Valério Ribon, ex-presidente do Sindicato dos Engenheiros do Espírito Santo (Senge-ES). Foi profissional ativo de sua profissão, bem como militou pelo respeito dela. Deixou para familiares, amigos e colegas um legado de ética e solidariedade. O velório aconteceu na Fazenda Ribon - Estrada Colatina-Santa Teresa. O sepultamento no Cemitério do distrito de Boapaba, em Colatina-ES. Na última semana, amigos e familiares se reuniram em Vitória para uma missa em homenagem ao engenheiro. 

Fez de sua militância ação que vai além do campo da categoria que atou. Nos depoimentos de amigos e companheiros, é lembrado sobretudo como um homem de bom coração. Sempre desejoso em fazer o bem. Por isso é pessoa respeitada pelo caráter ético de suas decisões como líder do Senge-ES. Era homem de equilíbrio. Ouvia todos os companheiros e falava por todos. Apaziguador de alheios e desatador de nós. Tal caráter contribuiu para o amadurecimento político de seus pares.

Profissionais da área tecnológica têm em Valério exemplo de conduta e caminhada profissional. Formado pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, do Senge e também conselheiro do Crea-ES e fiscal da Sociedade Espíritosantense de Engenheiros Agrônomos (SEEA). Ocupou ainda o cargo de superintendente do Ministério do Desenvolvimento Agrário e foi diretor da Ceasa. Em 2011, foi homenageado com a Medalha do Mérito do Crea-ES, em reconhecimento por sua militância e dedicação em prol da valorização da Engenharia e da Agronomia.

DEPOIMENTOS: 

Valério sempre foi pai de família exemplar e pessoa solicita aos amigos e companheiros. Sua bandeira era lutar pelo bem comum de toda sociedade e pelo desenvolvimento sustentável. 

Luiz Fiorotti, ex-presidente do Senge-ES

Seu horizonte era mudar a vida das pessoas para melhor. Como presidente do Senge-ES, era mediador das divergências internas. Contabilizava os interesses e fazia valer a solução que mais favorecesse os engenheiros e toda a sociedade.

Paulo Bubach, ex - presidente do Senge-ES e da Fisenge