10 Mai 2016

Eletrobras descumpre acordo e não avança na negociação coletiva com trabalhadores

Aconteceu, no dia 5/5, a primeira rodada de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) do Sistema Eletrobrás com o Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE). Os trabalhadores reivindicam ganho real, garantia de emprego e fim das privatizações. Entretanto, os diretores da Eletrobras não entregaram a contraproposta, como anteriormente acertado, e não definiram índices de reajuste, adiando a negociação do acordo 2016/2017 com os sindicatos. E o pagamento da PLR? Também sem avanço... Saiba mais

 

Veja também

>> Trabalhadores da Eletrobras entregam pauta do acordo coletivo 2016/2017; PLR continua sem avançoLeia mais

 


 

No Dia Nacional da Mulher, Fisenge lança campanha para homenagear engenheiras pioneiras

Em homenagem ao Dia Nacional da Mulher (30/4), o Coletivo de Mulheres da Fisenge lançou nas redes sociais a campanha “Coisa de Engenheira”, que busca resgatar a história de três profissionais pioneiras na Engenharia Nacional. Historicamente, esta é uma área de maioria masculina, por isso contar as trajetórias de resistência das mulheres é tão importante. “Este cenário é fruto de uma sociedade patriarcal, que reforça padrões. Tudo começa na escola, como se a menina não fosse capaz de fazer cálculo e gerir processos", avalia a Diretora da Mulher da Fisenge, a engenheira química Simone Baía. "Hoje, no entanto, temos observado o aumento de mulheres nos cursos de engenharia e, pouco a pouco, da participação delas no mercado de trabalho”, comemora.

 

Entre milhares de engenheiras brasileiras, foram retratadas, por sua história e contribuição à profissão e ao país, as seguintes personalidades: Enedina Alves MarquesAïda Espinola e Ana Primavesi. “Engenharia é coisa de mulher também e queremos com essa campanha homenagear o conjunto de mulheres que se dedicam todos os dias à ciência e à tecnologia”, concluiu Simone. As ilustrações são de Raquel Vitorelo, autora da campanha "Coisa de Mulher". Conheça um pouco mais das histórias inspiradoras de Enedina, Aïda e Ana.

 


 

Engenheira Eugênia luta contra retrocesso

Os tempos são difíceis para a sociedade brasileira. A engenheira Eugênia enfrenta dentro de sua empresa um plano de sucateamento, precarização e terceirização. “A atual conjuntura nacional apresenta um cenário de retrocessos na conquista de direitos, que irá atingir diretamente as mulheres e os grupos historicamente oprimidos. É fundamental o fortalecimento dos movimentos sindical e social”, afirmou a diretora da mulher, Simone Baía. Nesta edição, os diretores e acionistas planejam o desmonte da empresa pública e articulam pela retirada de direitos trabalhistas.

 


 

Presidente do Senge-BA participa de reunião da Frente Brasil Popular

“Não ao golpe e Fora Temer”. Esta foi a voz uníssona entre os movimentos e as entidades durante a reunião da Frente Brasil Popular, realizada no dia 6/5, em São Paulo. O presidente do Senge-BA, Ubiratan Félix representou a Fisenge durante o encontro. "Vivemos uma crise profunda em todas as instâncias. Iremos dar resposta de que o povo brasileiro não irá tolerar retrocessos no país", afirmou Ubiratan. Leia mais

 


 

Senge-PR: Nobel da Paz diz que golpe de Estado no Brasil serve a interesses econômicos externos

Em visita ao Sindicato dos Engenheiros no Estado do Paraná (Senge-PR), o prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel, alertou sobre o que aponta como verdadeiros interesses por trás do impeachment da presidente da República. “Trata-se de de um golpe brando, um golpe encoberto e sem base legal, nos moldes do que já ocorreu em Honduras, com o afastamento do presidente Manuel Zelaya e no Paraguai, com Fernando Lugo. São ações de cunho liberal para acelerar as privatizações de empresas estatais e aumentar o controle social na América Latina movidas para atender a interesses econômicos externos”, disse. Leia mais

 

Veja também

>> Senge-PR: conheça novos diretores eleitos nos colegiados e regionais Leia mais

>> No Crea, engenheiros aprovam acordo trabalhista com aumento real Leia mais

>> Senge-PR participa de debate sobre dívida pública na UFPR Leia mais

 


 

Senge-ES 35 anos: Engenheiros defendem Salário Mínimo Profissional na Assembleia Legislativa do ES

O marco dos 35 anos do Sindicato dos Engenheiros no Estado do Espírito Santo foi oficialmente iniciado na última segunda-feira (02) na Assembleia Legislativa do Espírito Santo (ALES). A trajetória histórica e ações atuais do movimento sindical dos profissionais de engenharia, agronomia, geografia, geologia e meteorologia foi apresentada aos deputados estaduais pelo presidente do Senge-ES, Ary Medina (foto), e pelo diretor de Promoção Social, Luiz Fernando Fiorotti. Saiba mais e confira o calendário de comemorações do sindicato!

 


 

Senge-MG: CREA apoia a criação da carreira de engenharia para servidores do Estado

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-MG,) vai apoiar a causa dos Engenheiros, arquitetos, geólogos e geógrafos servidores públicos do Estado de Minas Gerais para a criação da Carreira de Estado da Engenharia. Os servidores, juntamente com associações e entidades sindicais, se reuniram na sede do Crea-MG, em 26 de abril, para pedir o apoio da casa. Saiba mais

 

Veja também

>> Engenheiros realizam ato em frente à Prefeitura de Sabará após desconto irregular nos salários Leia mais

>> Senge-MG pede à Prefeitura de Contagem extensão de benefícios para engenheiros Leia mais

 


 

Waldir Maranhão revoga decisão de anular aprovação do impeachment na Câmara

O presidente em exercício da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA) revogou, na madrugada de hoje (10) decisão tomada ontem (9) de manhã, de anular as sessões plenárias da Câmara em que foi aprovada a admissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

 

"Revogo a decisão por mim proferida em 9 de maio de 2016 por meio da qual foram anuladas as sessões do plenário da Câmara dos Deputados ocorridas dias 15, 16 e 17 de abril de 2016, nas quais se deliberou sobre a Denúncia por Crime de Responsabilidade nº 1/2015", diz o texto do ofício assinado por Maranhão.

 

Leia mais AQUI


 

OEA e Corte Interamericana apontam ilegalidades no processo de impeachment

Em audiência pública, nesta segunda-feira (9), na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, e o presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos, Roberto Caldas, criticaram a falta de base jurídica e a antecipação de votos que permeiam o processo de impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff.

 

Almagro reafirmou aos senadores a posição da OEA, manifestada em nota em meados de abril: a denúncia contra a presidente não apresenta “qualquer juízo de indício de crimes de responsabilidade, quanto mais de certeza”.

 

— Desrespeitar os limites determinados no sistema constitucional brasileiro afeta a estrutura de funcionamento desse sistema e distorce a força e a operacionalidade que devem ter a Constituição e as leis — disse.

 

Como observou o secretário-geral da OEA, os países sul-americanos enfrentaram ditaduras militares e são hoje conscientes da importância das regras democráticas. Os eleitores, frisou, devem ter garantia de liberdade para exercerem sua expressão pelo voto e os políticos, a máxima garantia para serem eleitos e cumprirem seus mandatos.

 

— Isso é muito importante, pois, no sistema presidencialista, existe um contrato entre as pessoas e o presidente eleito. Isso tem que ser respeitado, com a máxima certeza jurídica que embasa a democracia, para garantir o cumprimento desse mandato — ressaltou Almagro.

 

Leia mais AQUI

 


 

Centrais convocam Dia Nacional de Luta para 10 de maio

Durante intervenção no 1º de Maio da CUT, o presidente nacional da Central, Vagner Freitas, convocou para 10 de maio um Dia Nacional de Luta contra o Golpe e em Defesa de Direitos. A ideia é unificar os trabalhadores dos setores público e privado para derrubar o impeachment. “Resistência se faz com luta e vamos paralisar fábricas, escolas, retardar atendimento onde for possível, na guerra junto com estudantes, com toda a sociedade”, alertou Vagner. O dirigente voltou a apontar que a CUT não reconhecerá o governo do atual vice-presidente Michel Temer (PMDB), caso o golpe triunfe, porque não representa a vontade popular. Para exemplificar, citou a pesquisa da Central que aponta o repúdio da sociedade ao processo. “Na pesquisa que fizemos, o Temer só tem 1% de aceitação, ou seja, o povo não o quer no poder.” Leia mais (via CUT)

 


 

26 projetos de lei ameaçam direitos dos trabalhadores

Dos 55 projetos de lei que tramitam no Congresso e foram listados como nocivos aos direitos, pelo Departamento Intersindical de Assuntos Parlamentares (Diap), 26 estão ligados a mudanças no mercado de trabalho. Defendidos pelos empresários, como forma de "modernizar" a legislação trabalhista, que data de 1943, os projetos são considerados "perda de direitos" por parte de sindicatos e centrais sindicais. (...) Negociar condições de trabalho à revelia da lei não é algo que o presidente do Sindicato dos Engenheiros (Senge) da Bahia, Ubiratan Félix, considere vantajoso. "Muitos engenheiros ocupam cargos de confiança nas construtoras e não estarão em condições de negociar com os patrões", destaca Félix. Estima-se que haja cerca de 40 mil engenheiros em atividade no estado, dos quais aproximadamente a metade estaria sindicalizada. Outro tema em crescente debate dos dois lados é a chamada "pejotização", um tipo de terceirização que prevê a possibilidade de empresas contratarem mão de obra de uma única pessoa sem vínculos empregatícios. Leia a reportagem completa de Gilson Jorge, para o Jornal A Tarde.

 


 

Falta de acesso à água evidencia desigualdades sociais, diz relator da ONU

O Clube de Engenharia lotou o auditório do 20º andar, na última quarta-feira (27), com a palestra “Direito à água”, do engenheiro Leo Heller, relator da Organização das Nações Unidas (ONU) para o direito humano à água e ao esgotamento sanitário e professor da Universidade Federal de Minas Gerais. "Se nós examinarmos no Brasil, e em países parecidos com o Brasil, quem tem e quem não tem acesso ao serviço de esgoto, fica nítido um padrão de discriminação. Quem não tem esgoto e água no Brasil? Quem vive em favela, quem vive em zona rural, no nordeste e não no sudeste", afirmou ele. Leia mais (via Clube de Engenharia)

 


 

Entenda a mobilidade profissional Brasil-Portugal para engenheiros

O Termo de Reciprocidade firmado entre o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia e a Ordem de Engenheiros de Portugal (OEP), em setembro de 2015, e seu termo aditivo, assinado em 15 de abril de 2016, permite aos profissionais da Engenharia brasileiros e portugueses a requererem o registro recíproco. O termo aplica-se aos profissionais graduados que tenham cursado, no mínimo, 3.600 (três mil e seiscentas) horas no Brasil ou 5 (cinco) anos de estudos em Portugal. O Sistema Confea/Crea está criando uma plataforma para recepcionar o Formulário de Requerimento e a documentação pertinente, para vigorar ainda no mês de maio de 2016.Acesse os formulários de requerimento (via Confea)

 


 

Fies aumenta prioridade para cursos de engenharia

A segunda edição de 2016 do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) apresenta algumas mudanças em relação à oferta do primeiro semestre. O cronograma foi anunciado no dia 27 de abril, e as inscrições serão feitas entre 14 e 17 de junho. O Ministério da Educação adotou na última edição a prioridade para cursos das áreas de Engenharias, Licenciaturas e Saúde. Entre os cursos prioritários, o MEC determinou o aumento de 45% para 50% de vagas disponíveis para a área de Saúde, assim como Engenharia apresenta um crescimento de 35% para 40% das oportunidades. Para Licenciatura, Pedagogia e Normal Superior a queda foi de 10% na oferta.Saiba mais (via Brasil Escola)

 


 

Projeto mapeia presença feminina na literatura periférica

“Quantas mulheres temos na literatura marginal?”, questionou-se a jornalista Jéssica Balbino após uma reunião com sua orientadora de mestrado, quando decidiu que iria pesquisar a participação feminina na literatura periférica, até poucos anos hegemonizada por homens. “As mulheres sempre estiveram presentes, mas foram apagadas, silenciadas, criticadas com frases como ‘as poesias das mulheres são todas iguais, só falam de machismo’, entre outras coisas”. Organizada num site, pesquisa Margens reúne informações sobre a produção de mulheres da literatura marginal nacional. Leia mais na reportagem de Tatiana Merlino para a Ponte Jornalismo (via Geledés)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.